5 modos de estimular a empatia em crianças

Amor. s.m. Afeto; sentimento afetivo em relação a; afeição viva por alguém ou por alguma coisa […]. Paixão. Inclinação ditada pelas leis da natureza: amor materno, filial. Adoração[…]. Zelo e dedicação[…]. Mitologia. Designação de Cupido. Religião. Sentimento de devoção direcionado a uma pessoa ou ente abstrato […]. Amor sentido em relação a alguém que não tem conhecimento desse sentimento […]. Pelo amor de Deus. Expressão que dá ênfase a um pedido: não faça isso, pelo amor de Deus! (Etm. do latim: amor.oris).

Sinônimos: paixão, dedicação, adoração, ternura, simpatia, fraternidade, benevolência, apego, amizade, zelo, afeto

Antônimos: Amor é o contrário de: ódio, raiva, desamor. 

_______________________________________________________________________________________________________________________________

Tão simples e, ao mesmo tempo, tão complexo é o amor dos seres humanos uns com os outros, é sentimento em ação presente em tudo, ou assim deveria ser.

E as pessoas dizem: “Amo meu trabalho! Amo meu marido! Amo meus amigos! Amo minha família!”. As pessoas amam tudo que é de sua posse ou conveniência. O amor ao próximo foi interpretado como amor ao mais próximo, e como fazemos para amar o que não é nosso?

Somos tão insensíveis ao que nos é alheio. Insensíveis aos corpos violentados pelo patriarcado, à luta por direitos alheios, aos filhos alheios mortos e dilacerados pelo preconceito, todas as tragédias nos são tão alheias.

O que mais me dói com a barbárie que vemos nos jornais não é a tragédia em si, mas a reação dos outros seres humanos (tão vulneráveis quanto) de ódio, de desdém, de egoísmo, de puro e completo desamor, é uma falta empatia que dói.

E a pergunta é: Para onde vamos sem o amor que não temos?

Que caminho obscuro é esse que estamos traçando. Um rastro de ódio e sangue onde a intolerância pisa. Provavelmente esse não é o mundo que queremos viver. E lembro que por diversas vezes EU proferi discursos de ódio na infância, minha culpa? Era o que realmente eu achava? Não. Eu só reproduzia o que a sociedade me ensinava, graças a Deus eu, em algum momento, comecei a raciocinar com meus próprios neurônios e gradativamente desconstruí milhares de preconceitos. Ouvia que quem era negro bebia muito café e eu tinha que beber muito leite pra continuar branca (não lembro exatamente quem me disse isso), que gente gorda um dia ia explodir, que todo gay era doente, que mulher que faz aborto vai pro inferno, que macumba era coisa de satanás. Hoje eu sei, que a cor da pele não determina nada, é apenas pele, se fosse pra ser todo mundo da mesma cor Deus não tinha criado essa paleta de cores deslumbrantes, né kiridos. Que existe uma coisa chamada diversidade, e cada corpo é um corpo, magro, gordo isso, também, não importa, que a mulher faz do corpo dela o que ela quiser e que não posso julgar ou repudiar a religião de ninguém. Aprendi que o caráter das pessoas vem da alma, do que a gente é por dentro, nossos olhos são enganados, iludidos pelo vislumbre estético e cultural, mas quando nos damos a oportunidade de ver além do que nos é ensinado, quando fechamos as janelas dos olhos e abrimos a porta do coração, podemos sentir a aura do outro, e isso sim é o que determina o que é bom do que não é.

Mas nem sempre isso acontece. E assim as crianças continuam sendo ensinadas a ter ódio de quem é “diferente”, a ter ódio de quem é negro, de quem é gordo, de quem é gay, continuam a reproduzir nas crianças machismo, misoginia, dentre outas coisas absurdas, por falta não só de amor, mas de empatia.

Leia também: Empatia – 5 coisas para você colocá-la em prática

_______________________________________________________________________________________________________________________________

Empatia. s.f. Ação de se colocar no lugar de outra pessoa, buscando agir ou pensar da forma como ela pensaria ou agiria nas mesmas circunstâncias. Aptidão para se identificar com o outro, sentindo o que ele sente, desejando o que ele deseja, aprendendo da maneira como ele aprende etc. […]. (Etm. do grego: empátheia; pelo inglês: empathy).

Sinônimos: irmandade, unidade, identidade, afinidade, afeto, união, inclinação, vínculo, simpatia, fraternidade, combinação, igualdade, afeição, vinculação.

Antônimos de Empatia: execração, repugno, repelência, rechaço, estranhamento, repúdio, desprezo, desamor, repulsão, abominação, rejeição, repugnância, aversão, antipatia. 

_______________________________________________________________________________________________________________________________

Piaget já dizia: “Quando vejo uma criança ela me inspira dois sentimentos: ternura pelo que é, e respeito pelo que possa ser”.

Portanto o recadinho do dia, é pra você que tem uma criança sob sua influência, seja filho, sobrinho, vizinho, afilhado, aluno: ensine-o a ser um serhumaninho de luz e do bem e aqui vão 5 dicas de como incentivar a empatia nos pequenos!

1 – Faça-o entender que todo mundo tem uma história

(Foto: child_by_ohnurre / Deviantart.com)
Para que elas ouçam com atenção e aprendam valores. (Foto: child_by_ohnurre / Deviantart.com)

Ensine a criança a considerar as motivações dos outros. Pode ser fácil de tomar o comportamento de alguém em direção a você pelo seu valor nominal, mas tantas vezes, outros fatores invisíveis são influentes. Quando as crianças se queixam do comportamento rude ou violento de um amigo, ajude-o e oriente-o para olhar em uma direção para além da superfície para por que a pessoa pode ter agido dessa forma, especialmente se o comportamento não é o comum para aquela criança, talvez o amiguinho tenha sido castigado por um professor ou teve uma discussão com um irmão, ele pode estar chateado com alguma coisa.

2 – Conheça a necessidade emocional de suas crianças

Foto: Michela-Riva / Deviantart.com)
Foto: Michela-Riva / Deviantart.com)

Certifique-se de satisfazer as necessidades emocionais de seus filhos (ou crianças sobre sua influência, ok dindas e dindos?). Crianças seguras e atendidas na obtenção de suas necessidades emocionais serão mais capazes de desenvolver empatia pelos outros. As crianças cujos pais ajudam a lidar com as suas emoções, positivas e negativas, são mais propensos a serem empáticos com os outros. Converse com seus filhos sobre suas emoções, suas perspectivas e suas necessidades. Esteja disponível e seja confiável.

3 – Encoraje a criança a encontrar coisas em comum com todos à sua volta

(Foto: oO-Rein-Oo / Deviantart.com)
(Foto: oO-Rein-Oo / Deviantart.com)

O que vocês têm em comum? Quando as crianças têm coisas em comum com outras pessoas, eles são mais facilmente capazes de entender e simpatizar com eles e suas situações. Se o seu filho está reagindo de modo a julgar outra pessoa, ajude-o a pensar sobre aspectos dessa pessoa que ele possa entender e se relacionar, bem como pensar sobre por que a pessoa pode ter agido da maneira. Este processo faz com que a criança veja os outros como seres humanos, em vez de um objeto unidimensional.

4 – Converse com ele quando houver mau comportamento

(Gif: Reprodução)
Converse com elas, você é amigo delas. (Gif: Reprodução)

Quando as crianças fizerem algo rude, chame-os para conversar. Diga-lhes que você não gosta que o comportamento e o por que, o que permite que eles saibam que não têm a ver com eles pessoalmente. Estabelecer limites desta forma ajuda-os a compreender os efeitos do seu comportamento sobre os outros.

5 – Mostre para as crianças que existem vários pontos de vista sobre uma mesma coisa

(Gif: Reprodução)
(Gif: Reprodução)

Lendo livros ou assistindo a programas de televisão são ótimas maneiras de olhar para perspectivas de outras pessoas. Você pode conversar com as crianças sobre como os personagens sentem, o que eles querem e o que eles pensam, e desta forma as crianças podem aprender sobre outras formas de pensar e perceber o mundo. Eles vão aprender a pensar fora dos seus próprios pontos de vista e zona de conforto, o que irá torná-los mais capazes de sentir empatia com outras pessoas.


Mas e você, o que faz para criar empatia a sua volta e com as pessoas com quem se relaciona? Como lidar com crianças cada vez mais inteligentes que, as vezes, mais nos ensinam do que absorvem valores que precisamos mostrar?

_______________________________________________________________________________________________________________________________

Nota do editor e redator: as cinco dicas foram traduzidas e adaptadas do Educateempowerkids.com.

Relacionados

Precisamos falar sobre finitude Ontem, quase no final do expediente recebi a notícia que um ator, o Domingos Montagner, havia mergulhado no rio São Francisco e estava desaparecido. Um pouco mais tarde, olhei a notícia que ele havia falecido. Não consegui elaborar aquele luto, não era meu. Mas imaginei a dor dos fãs, amigos e, prin...
Como se conectar com qualquer pessoa em apenas 4 m... Desde novo uma coisa que sempre gostei foi de conversar. Talvez por perceber de maneira tão singela como cada pessoa observa o mundo, tira suas conclusões, muda a percepção e valida a máxima que nada é completamente imutável. E em meio a isso, acabava/acabo me conectando a história de vida de cada p...
O que você faria se presenciasse uma cena de racis... Queria dizer o contrário, mas o racismo é um problema ainda vivo e não basta pesquisar muito para listar o número de situações que, surpreendentemente, ainda acontecem mundo a fora. Infelizmente. Navegando pela internet e lendo conteúdos acerca de mente e corpo, me deparei com um vídeo que mexeu e ...
É tão difícil assim aceitar quem eu quero ser? Nos últimos três meses ando refletindo de como as influências externas podem modificar a gente. Para bom e para ruim. Como isso interfere no nosso modo de lidar consigo mesmo, no nosso modo de ver as pessoas e em nossas atitudes. Como pode ajudar ou atrapalhar nossas escolhas. Filme: Medianera...