A Travessia: um filme que te causará uma aflição e exaustão absurdamente reais

Mas isso só se você assistir no cinema mesmo.

a-travessia-crítica-2015
E aí, encara? (Foto: Divulgação)

Quando vi que iria rolar um filme que contaria a faceta do francês Philippe Petit de atravessar, por meio de um cabo de aço, as duas torres gêmeas do World Trade Center, eu animei por dois motivos:

1 – Por já ter lido e ficado incrédulo com o que o cara fez;

2 – Como praticante de slackline e experimentado – leia-se “me apaixonado” – o highline (modalidade que é realizada em grandes altitudes), eu imaginei que seria interessante isso ser transportado para o cinema.

Essa animação só se confirmou quando vi o trailer e mostrou, sem enrolar, qual era a proposta do filme – tendo como protagonista e na pele do incrível e arrogante Philippe Petit, o Joseph Gordon-Levitt. Levitt é um ótimo ator e tem no seu currículo tanto filmes independentes, como 50/50, quanto grandes blockbusters, que é o caso do último filme da trilogia Batman. Ou seja, ele sabe onde se meter.

Mas voltando para A Travessia, o filme já começa sem muita frescura e deixa claro que todos os eventos serão apresentados pelo Pettit. Desde suas habilidades artísticas como andar de monociclo e malabares – deixando clara sua alma de artista -, até como ele se encantou, ainda na infância, pela magia da “corda bamba”. Essa paixão foi tão instantânea que o filme mostra como ele iniciou seus treinamentos e logo isso foi adicionado aos seus números de rua e que não poderia ver dois pontos para ligar sua corda e começar seu show.

travessia
Segundos antes de iniciar a travessia. (Foto: Divulgação)

Paixão essa que casa perfeitamente quando conhece a mulher da sua vida, a também artista, Annie Allix, vivida por Charlotte Le Bon, e, como golpe do destino, ele descobre aquilo que seria sua ambição, megalomania e propósito de vida: um jornal destacando a construção daquele que seria o prédio mais alto do mundo, o World Trade Center.

Daí em diante, o filme mostra uma sequência que lembra muito os filmes de assalto, desde a construção do plano, membros que compõem a “gangue”, estudos, montagem de equipamento (um salve para Papa Rudy, vivido por Ben Kingsley, que interpreta um dono de circo – o mesmo que Pettit viu a corda bamba pela primeira vez – e que, também, funciona como figura paterna nessa saga), estudo do inglês e, claro, como executar o feito exatamente quando o dia amanhecer naquele do dia 7 agosto de 1974.

Quando ele coloca o primeiro pé e visualiza o cabo a sua frente, é aí que magia do cinema começa. As cenas são feitas com sensibilidade e, apesar de não ser muito fã, o 3D nos transporta para a pele de Pettit naquele que seria um dos feitos mais extraordinários do mundo.

Não conferi quantas vezes ele atravessou no filme, mas o dado real conta que foram cerca de OITO VEZES em cima do cabo de aço que estava conectado a Torre Norte com a Torre Sul e tinha o francês em cima dele passeando, ajoelhando, deitando, recebendo visita de pássaros e o principal: a oportunidade de entender de uma vez por todas sua alma de artista e sua natureza humana.

O fim todo mundo sabe: tem até um documentário sobre esse feito intitulado O Equilibrista. Mas o recado que deixo aqui esse é um filme para assistir no cinema, com som e imagem a sua disposição para você imergir naquela aventura megalomaníaca desse francês.

a-perigosa-travessia-entre-as-torres-g%C3%AAmeas
Philippe Petit realizando a travessia lá em agosto de 1974. (Foto: Robert Zemeckis)

Ele também não é O FILME, mas cumpre bem sua função, que é prender o espectador e faz nele surgir sensações como se fosse você ali na tela protagonizando o evento em questão. Tanto que minhas mãos suaram muito durante as travessias, meu coração acelerou e descobri que ainda tenho um medo do caralho de altura. Essas sensações só foram possíveis graças à maestria que esses singelos elementos causaram ao cumprirem bem sua função.

Por fim, deixo meu salve por ser um filme que faz jus a paixão de quem se aventurou e experimentou subir em um cabo, corda ou fita na saga que é buscar um ponto de equilíbrio. Como praticante e apaixonado por slackline, me senti representado pelo fato de que em vários momentos do filme, ele manifesta exatamente a sensação, filosofia, sentimento e autoconhecimento que buscamos ao praticar esse esporte que resulta em um diálogo sincero entre mente, corpo e alma. #Slacklife

Relacionados

A Vida Secreta de Quem Sonha Acordado Você já teve aquela sensação de assistir um filme e o personagem principal ter traços similares ao seu? Nos últimos dois meses, senti isso em pelo quatro filmes que vi. Em Entre Abelhas, longa nacional estrelado por Fábio Porchat, pude relembrar uma fase antiga minha - o egoísmo. No estranho Cala a ...
Aceite-C: Carol, música e reflexão Diante de tantas convenções, relações afetivas, profissionais e sociais; preconceito, hipocrisia e falta de educação, é cada vez mais difícil ver as pessoas agirem com naturalidade. Ser leve, de boa, livre – aquele lance de “seja você mesmo” é algo que está se tornando cada vez mais raro. Tenho a se...
Drops SoT #1 – Memento: Amnésia No post que abriu essa nova fase aqui do site, falamos de um tópico que sobre conteúdos em vídeos e outras coisas do tipo. A ideia por trás disso é dinamizar e aproveitar o leque e diferentes formas que se podemos trabalhar aqui e, com isso, surgiu o Drops SoT. Antes de continuar, uma pergunta: J...
Sessão Brazuca: Trago Comigo – Memórias de u... https://www.youtube.com/embed/S-pK5VBUonA Trago comigo a luta de uma geração. Trago comigo a dor da opressão. Trago comigo lembranças de um país rebelde - e com causa. Trago comigo as marcas de tudo isso. Trago comigo a revolta de saber que os torturadores estão livres e sendo homenageados publ...
  • Pode ser o filme a me mandar de volta para as salas de cinema!
    Parar de ir ao cinema não foi uma decisão calculada, mas percebi que isso aconteceu comigo… As últimas experiências, com pessoas barulhentas e valores muito altos me desanimaram. Sei que perdi bons filmes que deveria ter visto por lá (inclusive Jurassic World, já que sou fã rs), mas nunca é tarde para voltar, acho. Vejamos se Travessia me leva! haha

    • Lari, tinha um tempinho que eu também não ia ao cinema. Falta de tempo, preguiça e por conta disso que você citou.

      Mas, como falei acima, esse filme eu precisava ver lá naquela tela grande pra absorver todas as sensações que sinto quando pratico Slackline. E assim foi.

      Na boa, vai lá e experimenta. Testa se tu tens medo de altura, e conta aqui depois! hahah 😉

    • Tentarei ir sim. Vencer toda a preguiça, rs e assistir ao filme na telona! Só não prometo que venho aqui comentar depois porque eu acabo esquecendo 😡 Mas, deixei anotado aqui pra ver se funciona! haha