Carta para Maria, minha filha que ainda virá

Maria, filha do meu desejo que tantos outros nomes já teve, mas o atual foi gravado em mim a ferro e fogo, assim como o nome que darei ao teu irmão. Quero lhe dizer algumas coisas e permitirei que tu leias em tempo certo, porque é sobre isso que essa carta discorre, sobre os tempos.

maefilhasobreotatamecapa
Portanto, Maria, minha filha, preste bem atenção nesta carta. (Foto: M-y-r-a / Deviantart)

Tua mãe – essa pessoa que lhe escreverá em terceira pessoa – é filha de uma geração sonhadora, sendo ela mesma movida a sonhos. Na primeira infância, ela sonhava em crescer, mas aquela década inicial foi vivida como deve ser, ela caiu as quedas reais que lhe renderam as primeiras cicatrizes e aprendeu a suportar as dores de ter um arranhão e escondê-lo até sarar – Tua avó havia avisado que descer aquela ladeira de patins ia dar merda, e deu –. Que dor filha da puta! Ela chorou quietinha, baixinho e o “pior” passou, caiu mais inúmeras vezes e aprendeu, naquele tempo inicial, sobre e a suportar a dor. Cedo demais.

Quando chegou aquela década de transição entre a infância e a vida “adulta”, ela ficou extremamente assustada. Surgiram algumas cicatrizes que a vovó não podia passar merthiolate, e tua mãe chorou, novamente, com a descoberta do primeiro amor, a primeira desilusão, algumas notas baixas, e uns bons nãos dos teus avós. Foram os nãos, as desilusões e um coração sangrando que lhe cravaram essa personalidade impetuosa, tempestiva, obstinada, sonhadora e, algumas vezes, frágil. Aquela década foi fundadora e túmulo de alguns sonhos.

Tua mãe sempre quis ser livre – não que fosse presa –, mas ela queria ser livre e do mundo, tirar os pés do chão e voar alto. Maria, aprender a voar não é fácil, requer algumas quedas, uma persistência constante e exige uma dose extra de autoconfiança. E na segunda década completa, ela tropeçava em direção aos sonhos, já conseguia levantar voo, mas levou uns bons tombos que lhe renderam mais lágrimas. O tempo é rei, ela cresceu!

E a idade adulta aflorou com tudo. Imagine aquela pequena, cheia de cicatrizes na pele e na alma. Agora tão senhora de si, de seu corpo, das suas vontades e dos seus desejos. Ela orgulhava-se das guerras que decidira lutar, das causas que escolheu militar, dos corpos pelos quais decidira passar, dos amores que resolvera abandonar, da carreira que escolhera seguir. Ela orgulhava-se de ser sua, por direito e escolha dela. Sempre dela! Vovó teria ficado assustada, mas sempre soube que tua mãe era mais do mundo e dela mesma do que de qualquer pessoa.

Ansiou por te apresentar sua trajetória, não para que essa fosse tua estrada. Mas para que tu entendas que os caminhos são feitos e desfeitos, que nada é permanente e nem por isso efêmero. Que algumas cicatrizes serão permanentes como tatuagem e dirão muito sobre a tua trajetória. Maria, o mundo te espera, junto com os teus sonhos. Que tu sejas livre, corpo e alma. Tua mãe promete te amparar nas quedas. Pode voar que o mundo é teu, o tempo fará de ti metamorfose.

Relacionados

Como se conta a memória de um amor? Foi o que você me perguntou ontem. E eu realmente fiquei pensando sobre aquilo. Nos últimos três dias eu não dormi, porque eu não queria perder um minuto sequer do teu lado, do cheiro, queria gravar na minha memória, falha, todas as marcas do teu rosto, o toque suave da tua barba, a tua pele quente...
Veja você: um filho da puta na linha tênue entre s... Ás vezes, a gente só quer respirar. Veja você. Acorda, olha pro relógio, são 05h10 da manhã. Coça os olhos, olha pro teto e se pergunta quem é mais filha da puta: o colega de profissão que não perde uma chance de ridicularizá-lo ou o motorista do ônibus que sorri quando passa direto no...
Crônica de um amor em queda livre Dê o play e deixe o sentimento fluir com a leitura: https://www.youtube.com/watch?v=8w2lNpixqOc Havia uma inquietação no ar e ela não conseguia entender bem a sensação. Tinha uma angústia no peito, aquela dor pesada, como se ela carregasse um peso maior do que podia suportar – uma dor que fazia...
O mundo além da esquina da rua Elenco do filme "Os Batutinhas", clássico dos anos 90. Não sei vocês, mas quando eu era criança existia todo um mundo para ser desbravado e burlar um pouco as leis dos meus pais caracterizava-se como uma verdadeira aventura. Daquelas que tu elaboras o plano com o coleguinha, sai de casa com passos...
  • Letícia Lima

    Gente, que coisa mais amorzinho!!! Maria com certeza vai ficar muito feliz ao ler essa carta, mas garanto que até lá, isso que tu escreveu ainda vai tocar muitos outros corações sonhadores ♡

  • Danilo Batista

    👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼