Coletivo Maria de Lourdes – A Sororidade em pauta

Já fomos submissas –  e algumas ainda são- , já queimamos sutiãs, já fomos a parcela mais frágil da população, e já aprendemos a lutar para superar tudo isso. A vida nos fez fortes e a batalha continua.

 

Uma mulher incomoda muita gente. 

Todas juntas incomodam muito mais! 

 

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

 

Hoje nos organizamos e, com um passo de cada vez, seguimos rumo a um ideal: sermos vistas com igualdade em relação ao gênero que ainda se impõe sobre nós, que ainda nos oprime, que ainda não aprendeu a nos respeitar e que ainda recebe um salário maior mesmo realizando igual papel nas empresas.

Como forma de combater a alienação feminina em relação a tudo isso, um grupo de mulheres criou o Coletivo Maria de Lourdes. São voluntárias de uma ONG dispostas a fomentar a  discussão da igualdade de gênero dentro da organização e das comunidades onde atuam.

 

“Nosso objetivo é a criação de práticas e medidas para (in)formar voluntários conscientes e capacitados, além de reforçar e aplicar a igualdade de gênero dentro e fora do TETO!”

 

Dessa forma, o projeto funciona como uma roda de conversa que visa compartilhar vivências diárias de mulheres de diferentes realidades. Seja da comunidade menos favorecida ou da classe mais alta da sociedade, a troca de informações entre essas mulheres fortalece o laço da sonoridade.

O nome do coletivo é uma homenagem a líder comunitária da Vila Nova Esperança, uma comunidade paulistana que vive à margem da megalópole. Vista como uma mulher firme e que luta pelos direitos dos moradores, a Lia (um apelido carinhoso para Maria de Lourdes) conquistou o seu espaço e guia a comunidade com punhos de ferro e carisma de menina. Ela representa todas as mulheres que lutam todos os dias contra os massacres ao feminino, ao assédio, a violência doméstica, ao cargos trabalhistas remunerados preconceituosamente…

 

Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.

 

 

Maria de Lourdes é mais um veículo que nos mostra o que tantas outras mulheres fizeram – e sofreram- para que nossas vozes não fossem silenciadas.

“Não sou livre enquanto qualquer outra mulher estiver presa, ainda que as amarras dela sejam muito diferentes das minhas” – Audre Lorde

Para saber mais e aderir ao projeto basta clicar AQUI.

Relacionados

Como se conectar com qualquer pessoa em apenas 4 m... Desde novo uma coisa que sempre gostei foi de conversar. Talvez por perceber de maneira tão singela como cada pessoa observa o mundo, tira suas conclusões, muda a percepção e valida a máxima que nada é completamente imutável. E em meio a isso, acabava/acabo me conectando a história de vida de cada p...
Cinco motivos que me impulsionaram a ser uma pesso... Um dia desses eu acordei achando o mundo chato, vazio e me perguntei o que eu estava fazendo por aqui. Mergulhei um pouco mais fundo e me questionei acerca da minha função no planeta, como as pessoas me viam e como eu gostaria que elas me vissem quando eu não estivesse mais aqui. Pensei nos filhos q...
Quanto te pagaram para desistir de seus sonhos? Sabe, a vida tem desses altos e baixos e não, não é fácil ter ânimo todo santo dia, até porque ninguém é feliz o tempo inteiro. Por tanto, curta o momento pelo o que ele é, valorize as felicidades momentâneas. Mas e seus sonhos, aquela ideia e/ou desejo insaciável de viver aquilo que paira na nossa ...
Veja você: um filho da puta na linha tênue entre s... Ás vezes, a gente só quer respirar. Veja você. Acorda, olha pro relógio, são 05h10 da manhã. Coça os olhos, olha pro teto e se pergunta quem é mais filha da puta: o colega de profissão que não perde uma chance de ridicularizá-lo ou o motorista do ônibus que sorri quando passa direto no...