Como se conectar com qualquer pessoa em apenas 4 minutos?

Desde novo uma coisa que sempre gostei foi de conversar. Talvez por perceber de maneira tão singela como cada pessoa observa o mundo, tira suas conclusões, muda a percepção e valida a máxima que nada é completamente imutável. E em meio a isso, acabava/acabo me conectando a história de vida de cada pessoa que já passou, passa e passará. O vídeo que trago hoje é exatamente sobre isso, conexão.

Se você navegar um pouco na internet, vai encontrar algumas matérias bem interessantes sobre os efeitos que duas pessoas se olharem fixamente podem causar. São desde de alucinações, como uma matéria sobre uma pesquisa da revista Galileu, até um efeito em “transe” se colocá-las frente a frente, como abordada em uma matéria sobre uma pesquisa da Exame.

Mas o objetivo aqui é bem mais simples, e o resultado é de pura empatia.

OLHARCAPA
Imagina o que esse casal já viveu? (Foto: Reprodução / YouTube)

Trata-se de um experimento com o seguinte objetivo: criar uma conexão por meio do contato visual ininterrupto entre duas pessoas por apenas quatro minutos. Para validar essa ideia, foram colocados seis casais frente a frente, e todos possuem um período diferente de relacionamento.

O resultado? Olha só:

Diga lá, lindo, não?

Acho que não é nem preciso falar muito depois de um vídeo desse. E nem passa o recado que você deve olhar diretamente no olhos da pessoas quando tiver andando pela rua, até porque isso pode soar mesmo intimidador.

Mas o recado é bem mais curioso e simples.

Conexão é uma maneira de se permitir em diálogo, elo e empatia com relação ao próximo. De perceber que podemos nos aventurar, aprender e ensinar no desafio que compõem os capítulos da nossa jornada de vida. É criar um exercício de que não somos melhores e nem piores que ninguém. Que somos todos iguais e diferentes querendo um momento de alegria recíproca e significativa. 

Mas e aí, o que você sentiu ao ver esse vídeo? Já testou ficar olhando nos olhos de alguém por um período prologado? Deixo aqui o desafio!

Relacionados

Mulheres da Imagem: a fotografia enquanto objeto d... Na última sexta (13), estivemos presente na 1ª Ação Coletiva: Mulheres da Imagem, que é um movimento que valoriza e evidencia a presença da mulher em espaços majoritariamente masculinos, dentre eles, a fotografia e o cinema. O objetivo também é trazer em voga, discussões acerca do poder da coletivid...
2016 foi treta, mas nem tudo esteve perdido, teve ... Primeira chuva de dezembro. 2016 indo embora. Que puta ano! Cheio de baixos, devo admitir. Mas rolaram uns altos que trouxeram um afago gostoso no meio do turbilhão – o SoT, por exemplo –. Fiquei procurando uma analogia que abarcasse o Feeling, do momento e do ano. Lembrei de uma cena do filme Clube...
Quanto te pagaram para desistir de seus sonhos? Sabe, a vida tem desses altos e baixos e não, não é fácil ter ânimo todo santo dia, até porque ninguém é feliz o tempo inteiro. Por tanto, curta o momento pelo o que ele é, valorize as felicidades momentâneas. Mas e seus sonhos, aquela ideia e/ou desejo insaciável de viver aquilo que paira na nossa ...
Meu pai, minha mãe, meus irmãos, amigos, avó: quan... Olá, saudações de outro tempo! Como vai você, ser-do-futuro? Então, por aqui, no presente em que escrevo, tudo vai bem. A temperatura está amena e o tempo tá com cara de que vai cair um pé d’água! Por aí, já deve ter chovido, né? Ou tudo não se passou de uma peça pregada pelos céus para que to...
  • Mariana Julio

    Acho isso muito difícil, mas tento sempre! Quando somos um pouco introvertidos e fechados, olhar nos olhos de outra pessoa soa muito revelador e Às vezes instintivamente me desvio dessa ação.