Crônica de um amor em queda livre

Dê o play e deixe o sentimento fluir com a leitura:

Havia uma inquietação no ar e ela não conseguia entender bem a sensação.

Tinha uma angústia no peito, aquela dor pesada, como se ela carregasse um peso maior do que podia suportar – uma dor que fazia o peito todo doer, fazia ela levar as mãos ao coração e pensar que: ou sua hora havia chegado ou aquela dor ia quebra-la até não sobrar nada.

Respirou. Doeu!

Levantou e procurou um cigarro na bolsa. Nada.

Sentou novamente, segurou a cabeça entre as mãos e lembrou daquela última declaração antes do fim. Dissera que amar a ele era como estar à beira de um precipício, sentir toda aquela sensação de liberdade; o coração pulsando; o vento no rosto e o perigo eminente da queda. Caiu.

Antes de chegar ao chão, da morte certa, lembrou de como era estar aninhada ao abraço dele, acordar naquele abraço foi a melhor coisa que havia lhe acontecido. Lembrou com certa malícia que ninguém havia lhe tocado e entendido seu corpo tão bem e rápido quanto ele. Nenhum primeiro beijo havia sido tão tímido e cheio de vontade como o deles e, claro, sorriu sentindo o vento, nenhum rosto ficara tão lindo sujo de batom vermelho como o dele. Avistou o chão, sentiu o medo pulsando e o coração pedindo um pouco mais de tempo – O coração é sempre o último a dizer adeus, mesmo sabendo que não há mais nada vivo. Agora faltava pouco, podia prever o impacto e a dor.

Caiu. Um baque surdo.

Houve silêncio naquele universo paralelo, um silêncio respeitoso. Ela, toda quebrada e cheia de fraturas expostas, avistou o céu e o alto daquele precipício de onde caíra. Sentiu os últimos batimentos daquele amor, fracos e ecoando alto. Lembrou da liberdade e do vento no rosto. Sentiu um espasmo de dor e a última lágrima cair. Fechou os olhos e foi dizendo adeus com o máximo de demora possível.

Disse adeus.

Levantou-se daquele estupor, limpou o rosto manchado de lágrimas, vestiu uma camisa velha e foi atrás do cigarro. Pensou que gostaria de ter um novo amor, algum dia. Menos avassalador, mais calmo e com menos fraturas. Mas nada, nunca mais seria, como olhar aquele rosto barbudo sujo de batom vermelho.

Relacionados

Para Fábio: “Não importa onde estamos nossa ... Fábio passa aquela faixa oriental na cabeça e veste seu kimono. Parece que ele vai lutar - ou talvez vá, mas a roupa é porque ele vai começar mais uma noite atendendo desconhecidos no restaurante japonês que trabalha de terça a sábado. E hoje ainda é sexta. Este poderia ser Fábio, mas poderia ...
As coisas que a gente ama têm que ser livres Sim, e de mãos e peito abertos, porque se tivermos a grata companhia de alguém que amamos ao nosso lado, que ela fique por pura e simples vontade de querer estar ali. Vivenciando experiências que vão lapidando nosso ser e compondo a harmonia do nosso pequeno mundo. Sabe, temos mais é que estar ali...
Uma carta para quando você quiser ir embora Tô há anos na tua vida. Ainda bem. Mas ainda te sinto escapar. Ainda te sinto, às vezes, fora do meu alcance. Mas agora é diferente. Te aceito. Quero te aceitar. Assim. Desse jeito. Sem querer mudar absolutamente nada. Te amo sem expectativas. Te amo porque não sei fazer diferente. Te amo porque tu ...
Calma! Respira que hoje ainda é um novo dia Isso, respira. Mantém teu equilíbrio no que realmente importa, coloca alegria nas pequenas coisas, mas permita-se viver as grandes também. Vai lá, abraça o mundo e diga pra si que não é tão difícil assim assumir as rédeas que a vida tanto cobra. Brinca de viver e não carrega tudo simplesmente por qu...