Especial TEDxRuaPortugal: João Paulo Andrade e a necessidade de saber escolher e ser feliz

Uma camisa de caveira. Esta seria a forma como eu reconheceria João Paulo Andrade, criador do site de heavy metal Whiplash.net, na entrevista desta reportagem ao SOT. Pôr na mente a ideia de “entrevista com um empresário” me deixou apreensivo (somado ao meu atraso imprevisto). Ao vê-lo, e ouvi-lo nos minutos inicias da nossa conversa, ficou bem claro que o rumo do bate-papo seria outro – e, principalmente, me traria uma visão de vida bem diferente do que estava acostumado.

Maranhense, com pais pernambucanos, João Paulo Andrade, de 44 anos – “me sinto com uns 20”, brincou – é formado em engenharia e dono do Whiplash.net, um dos sites de heavy metal mais prestigiados da América Latina.

Sempre reforçando a ideia de que buscou, na criação do site, a realização daquilo que já lhe fazia, João Paulo, ou o “JP”, aproveitou a entrevista para treinar o discurso do TEDx (que ocorre neste sábado, 11) e lembrar pontos da sua trajetória antes nunca mencionados.

Um deles, por exemplo, relaciona a criação do mais completo site de rock e heavy metal do Brasil a um presente aleatório, dado por uma tia, do disco As Quatro Estações, do Legião Urbana. A admiração pelo grupo de Brasília levou o então fã de MPB a ritmos mais roqueiros, antes alheios a ele.

“Era fanático por MPB. Ganhei, por engano, de uma tia minha, As Quatro Estações. Antes de levar para a loja para trocar, decidi ouvir. E na audição, gostei, e adquiri outros três LPs do Legião [Urbana]. Busquei as bandas relacionadas, como Paralamas [do Sucesso] e Engenheiros [do Hawaii], até chegar em bandas como Iron Maiden”, relembrou.

Antes, entretanto, o amor pela música – e em ser músico – já pulsava em JP. Após tentativas medíocres (segundo ele mesmo afirma) de ser músico (baixista, em uma arriscada que levou dois anos), JP apostou a sorte em outro hobby: na informática. O gosto por computadores levou JP a ser não somente um usuário afiado, mas um criador de peso.

“Eu não queria ser só um usuário de internet. Eu queria ser um cara que contribuísse e gerasse conteúdo na internet”, afirmou. A partir deste lema – e com bandas de heavy metal já entre as suas principais referências -, JP criou o Whiplash.net, em 1996.

Indo de 100 acessos por dia a 1.000 em alguns meses, o site começou a pedir decisões de JP, que, no começo do site, tinha dois empregos e usava apenas o tempo livre para cuidar do Whiplash.net. “Ele foi crescendo e necessitando alguns custos. Um dia eu pude ter um provedor dos EUA, no fim dos anos 1990. Não dava pra acreditar que pudesse viver sendo dono de um site. Ainda mais que não queria ser empresário. […] A soma dos meus salários não pagava o investimento. Antes de pensar em fechar o site, mandei vários e-mails para conseguir dinheiro pra investimento. A coisa foi crescendo e, devagarinho, consegui largar um dos empregos”, comentou.

JP reforça a necessidade de estabelecer metas para conseguir visualizar e, posteriormente, alcançar os seus objetivos. “Eu estabelecia metas para alcançar e decidir investir só no site. Isso levou quase dez anos, mas chegou”. E, mesmo tendo pedido demissão na semana que estourou a crise econômica dos Estados Unidos, JP seguiu em frente. “Eu iria me arrepender se não tentasse”, disse.

Com várias conquistas a partir do site, de várias coberturas nacionais e internacionais, acesso à vários estilos musicais e artistas, e reconhecimento por todo o mundo, JP revela que a felicidade maior – principalmente, depois de largar o segundo emprego -, estava em poder se dedicar, exclusivamente, ao seu hobby.

“Eu estava extremamente feliz, podendo cuidar do meu hobby. Passei a dedicar todo o meu tempo ao site. Durante a crise, o site cresceu e se manteve. Quando a crise passou, eu estava em uma vida muito feliz. Eu estava trabalhando em casa, não tinha muitos gastos. Tinha dinheiro guardado para emergências e o site estava rendendo bem. O único arrependimento foi de não ter largado tudo pra tentar antes”, acrescentou.

“Eu não preciso mais ir todo dia pro trabalho. Não preciso de carro. Nem de calça comprida, sapato (só uso em casamentos). Uma das primeiras que perguntei era se podia ir de bermuda e chinelo para o TEDx”, brincou.

JP não se considera rico, mas afirma que o Whiplash.net lhe trouxe dinheiro o suficiente para quebrar suas expectativas iniciais. “Tive dinheiro sobrando para fazer coisas que não achava que não fosse conseguir. Vi todos os shows de heavy metal que quis assistir. Tive dinheiro para casar. Tive o suficiente para levar uma vida realmente feliz. Ao fim, consegui viver de música”, finalizou.

 

Ficou curioso para saber mais? O João Paulo Andrade será um dos palestrantes do TEDxRuaPortugal, que ocorrerá neste sábado (11), no auditório Maria Izabel Rodrigues, na UNDB, a partir das 14h.

Com o tema Propósitos que Movem, o evento contará com histórias e projetos que estão mudando vidas e concepções em São Luís e no Brasil.

Saiba mais sobre o evento clicando aqui!

#DicadoJP

Questionado sobre qual dica daria para aqueles que querem investir em plataformas musicais na internet, JP foi direto ao ponto: “Investe hoje em rede social. Monta uma marca que possa se adequar a qualquer formato dentro das redes sociais. Que é o que o Whiplash.net é hoje. Atingimos mais gente pelas redes que pelo site. O importante é o peso da marca”.

Relacionados

Pessoas que Inspiram #4: Dona Conceição e uma hist... Serenidade no olhar e uma história de vida para contar. (Foto: Ingrid Barros) No dia da ida à Capela de São Pedro, em São Luís, enquanto esperava o ônibus para ir pra casa de uma amiga, uma senhora muito simpática se aproximou. Vinha da casa de sua irmã, que mora próximo à Praça do Letrado, no bai...
Especial TEDxRuaPortugal: Guilherme Valadares e co... Você já ouviu falar em masculinidade tóxica? Masculinidade baseada no medo? Sabia que 95% da população carcerária é feita por homens? E que eles vivem 7 anos a menos do que as mulheres e se suicidam 4 vezes mais? Esses são alguns questionamentos que o trabalho do Guilherme Valadares, idealizador do ...
Especial TEDxRuaPortugal: a fotopoesia de Helemozã... Helemozão ou Helen Salomão da Silva e Silva, de 21 anos, fotógrafa cujas lentes  registram empoderamento, feminismo, cultura negra, amor e muito mais. A baiana, natural de Salvador já nos permitiu conhecer um pouco da sua trajetória , para ver a história de Helemozão clique aqui. Foto: Edgar A...
Especial TEDxRuaPortugal: Raquel Noronha e a paixã... Como continuidade do nosso especial com o time que compõe palestrantes do TEDxRuaPortugal. A história que trazemos agora é da carioca Raquel Noronha, ela que veio parar em São Luís depois de um mochilão e se apaixonou pela cultura, povo e história local, fazendo assim o Maranhão sua casa há 14 anos....