Eu leio, você escreve – Precisamos discutir essa relação

Era uma conversa normal de bar (Veneto, para os mais íntimos), sou aquela pessoa apaixonada por boas conversas [de qualquer tipo] e digo sempre: as melhores teorias de dominação mundial surgem naqueles momentos, entre uma cerveja e outra.

Pois bem, os assuntos foram rolando no modo aleatório, em tempos de crise política, social e ideológica, fala-se sobre tudo. Na mesa, a maioria tinha alguma relação direta ou indireta com a escrita e falava sobre deixar um legado, sobre problematizar os assuntos certos e ajudar nessa construção de ideais – Influenciar positivamente.

O que me deixou no modo “repense” foi um assunto que entrou e passou batido: A responsabilidade pessoal e intransponível de quem escreve, sobre/para você, que está lendo esse texto. Boa parte das nossas convicções e ideologias são formadas com base naquilo que lemos, que absorvemos e internalizamos como conceitos.

Veja só.

lerescrevercapa
Será que posto esse textão? Mando aquela indireta? Li isso mesmo? (Foto: Reprodução / petebritney)

Você que escreve, já parou para pensar no looping de emoções que circulam a pessoa que está lendo seu texto [pensar mesmo, pow! Colocar na balança o real motivo para aquilo ser lançado no mundo]? E você, que ler, já tentou medir o grau de influência emocional que um determinado texto lhe causa? [Leia um texto por aí, de qualquer lugar ou livro, pense nele e só nele por uns cinco minutinhos e volte aqui!]

Pegou a sacada?

É um jogo não mensurável. Por exemplo, aquele carinha ou aquela guria que escrevem muito bem sobre amor e relacionamentos não conseguem prever a forma como isso vai te atingir. Se o efeito for o inverso do esperado, quem segura as pontas?

Quem vai dizer pra aquela guria que tem problemas com relações interpessoais que ela não precisa se sentir mal por não atender as expectativas do outro? Quem vai dizer pro guri com tendência suicida que perdeu o emprego e a namorada, tudo antes dos 30 e depois dos 25, que ele não é um fracasso depois de ler um texto sobre “Como ser bem sucedido antes dos 30”?

Como leitora assídua, esses questionamentos me acertaram como um soco de direita ao perceber que minha estrutura emocional já fora desestabilizada por leituras que não cabiam em mim, mas que naquela hora eu quis que coubessem. Como alguém que escreve [rascunha-se], minha preocupação e cuidado com as palavras redobraram. Nenhuma palavra deve ser lançada como verdade sem ser pesada em uma balança de criticidade. Likes e comentários não mensuram estado emocional.

gifSoT
Aposto que você já ficou assim lendo coisas por aí pela internet. (Gif: Tumblr / Reprodução)

Precisamos ser autocríticos das nossas leituras e escritas. Queremos entender de amor, política, cinema, moda, sexo, relacionamentos e uma infinidade de coisas. E sem perceber, sem que seja visível, deixamos de nos pensar e começam a pensar-nos e ditar as regras sobre como devemos nos sentir e ser. Ou não.

Pois bem. Aos escritores, fica o pedido de auto-análise e autocrítica – pessoas, cheias de conflitos leem os seus textos, pense nos dois lados da moeda. Aos leitores, e aqui me incluo, não permita que palavras alcancem o teu emocional sem pesar se tua estrutura aguenta a carga extra e se vale a pena absorver o que não te impulsiona pra frente.

No mais, se aplicar direitinho, isso vale para a palavra escrita e a falada, ou seja, isso vale pra todas as áreas dessa vida de meu Deus.

Até porque, assim como palavras destroem, outras salvam a vida de alguém.

Relacionados

Pelo direito de errar, pois “se errar, errei!” Quem já assistiu esse filme sabe do que estou falando. (Foto: Reprodução / Filme: Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças) A vida não é uma tentativa constante de suavizar ou "vilanizar" as situações do cotidiano. Longe disso, é apenas entender que o que você leva são apenas consequências de sua...
Não tem cadeado no seu pensamento Trecho de "Entardecer", do SILVA, na ilustração de Vitor Martins. Como a gente se perde em pensamento desnecessário, não é mesmo? Um "será se eu arrisco" ali, um "talvez não dê certo" acolá, para experiências diversas. E o principal acaba ficando de fora: viver aquela experiência. O post de hoje ...
5 coisas que aprendi depois de umas bad trips Todo mundo tem suas fases e cada um sabe da saga que é encarar de frente aquilo que estamos dispostos a viver. Seja na infância, juventude ao na tão sinistra fase adulta, vamos lapidando cada parte nossa numa busca pela melhor versão. E não tem problema nenhum em possuir algumas falhas, mas não nos ...
2016 foi treta, mas nem tudo esteve perdido, teve ... Primeira chuva de dezembro. 2016 indo embora. Que puta ano! Cheio de baixos, devo admitir. Mas rolaram uns altos que trouxeram um afago gostoso no meio do turbilhão – o SoT, por exemplo –. Fiquei procurando uma analogia que abarcasse o Feeling, do momento e do ano. Lembrei de uma cena do filme Clube...