Não acredito em Zeca Baleiro mas… deixo quatro verdades sobre ele

De linhagem síria, mas com nome mais maranhense impossível (José de Ribamar) e sobrenome “pessoal-artístico” consideravelmente convidativo (Baleiro), Zeca, como o próprio se define: “Nasci em 11 de abril de 1966. Sou ariano, do terceiro decanato, com ascendente em Câncer e Lua em Capricórnio. No horóscopo chinês, sou Cavalo de Fogo”, intelectual tal qual os bons arianos, já mandou vários spoilers (autorais ou não) do maior Game Of Thrones da história da humanidade: a minha, a sua, a nossa vida – só que a gente não viu. Mas lá vão elas em quatro balas!

Por isso, “não acredito” em Zeca Baleiro mas…

zecabaleiro2
Foto: Rama de Oliveira / Divulgação

1 – “Nada vem de graça/ Nem o pão, nem a cachaça”, Babylon

“Ai, morena, viver é bom”….e como! Esse lance de estar aqui na Terra e poder escrever capítulos bacanas (ou algo perto disso) deve ser o ingrediente motivador para sairmos de nossas camas todos os dias e promover transformação. Entretanto, moren@s, nada vem de graça. “Nadica” de nada. Nem um teco. Nem mesmo aquele shot de tequila para fazer o esquenta da noite –  o que dirá nossos objetivos.

Digo isso subsidiada por Zeca-do-meu-coração porque, amigos, uma vida de atalhos não sabe o que é trajetória. Como não se tem uma linha reta, um caminho percorrido, a vida estruturada em desvios não oferece absolutamente nada: não há legado, só curvas – e curvas só constroem redemoinhos dentro de nossas cacholas. Não havendo legado, não há justificativas. Se não temos justificativas para seguirmos, qual o sentido MARAVILHOSO mesmo de se “morrer e continuar vivendo”?


2 – “Sinto arder a pele/Que me queima, é amor/E eu me peço calma/Quero acalmar meu corpo/Dentro da tua alma”, Último Post

Porque nem livro, nem escritor, nem revista, nem blog, nem novela, nem música, nem rede social, nem porra nenhuma será capaz de definir o que é ter o coração batendo forte por outro coração, que não seja a nossa sábia alma. O Amor é sublime e enigmático demais para se transpor aqui. Não temos nem caracteres, mas “bora” amando o que sobrar caminha junto. Dói menos, sabe.


3 – “Mundo velho/E decadente mundo/Ainda não aprendeu/A admirar a beleza/A verdadeira beleza/A beleza que põe mesa/E que deita na cama/A beleza de quem come/A beleza de quem ama/A beleza do erro/Puro do engano/Da imperfeição…”, Salão de Beleza

Recado para vocês: foquem nos cinco últimos versos! Sentem aqui: vamos continuar comer todas as possibilidades para amarmos sempre e errar o dobro, pois, sejamos francos: quanto mais imperfeição melhor.

É tempo de novos erros”, já dizia um grande amigo meu, essa força motriz que move o mundo e nada exclui, apenas aperfeiçoa as possibilidades de nos fazermos “vivíveis”. Bonitos, já não sei, mas que ao menos sejamos aos olhos de quem interessar – principalmente aos nossos próprios olhares.


4 – “O cara mais underground/Que eu conheço é o diabo/Que no inferno toca cover/Das canções celestiais”, Heavy Metal do Senhor

 Pergunta do ENEM (valendo sua concepção sobre o tal amor):

A razão para as nuvens negras (nas pessoas ou no universo no qual estas se encontram ou promovem) reside no fato de que:

  1. Tá faltando amor;
  2. Tá faltando ajuda;
  3. Both of them (Ambas as respostas)

Both of them, queridos, both of them.


 

Cada um de nós vive em um embate interior intenso. Não vamos negar. Não vamos mentir: sim, ele é demolidor. E essa intensidade de tão indenitária e singular não pode ser invadida de modo descompassado. Peça licença ou deixe licença:

Com licença, eu trouxe amor.

zecabaleiro
E feliz aniversário, Zeca Baleiro. (Foto: Reprodução)

Relacionados

QUINTA SOBRE MÚSICA #4 Como boa amante se música, também curto covers, novas versões, novas visões de músicas que curto. Hoje no Quinta Sobre Música, vou apresentar-lhes três dicas que fala exatamente sobre isso.   Concrete Jungle - Bob Marley por Céu E vamos começar por essa moça de voz linda e interpretações ...
Festival ELAS: atitude e representatividade em set... Publicação da Joceline Conrado, Ingrid Garcia e Viviane Mendes Foram três dias de emponderamento, representatividade e voz do universo feminino. O Festival Elas ocorreu entre os dias 20 e 22 de julho em São Luís, Maranhão. Realizado por Mavi Simões, o evento trouxe como front o tema Poder Fe...
Balaio de Resistência – a força da economia ... Teve música, intervenção, criatividade e economia. E foi massa! (Foto: Ingrid Barros / Sobre O Tatame) Quem acompanha nossas redes sociais deve ter notado que no último domingo (18) estivemos no Balaio Resistência, uma feira criativa que reuniu vários projetos e iniciativas independentes com pro...
40 clipes maranhenses lançados em 2016 que você pr... Três partes já foram - e vimos de tudo um pouco por aqui. Para nossa surpresa, muitos dos clipes listados neste especial passaram despercebidos por vários maranhenses - e muitos vieram nos elogiar pela compilação e por terem tido acesso à estes materiais (agradecemos de <3). Com essa lista, f...