Não importa o tanto de vezes que caímos, nós sempre levantamos

 
galera-me-conhecendoSeja em pé no ônibus a caminho ou na volta do trabalho, nos olhares familiares de estranhos, no silêncio da madrugada ou amores acabados, sempre nos reinventamos. É legal essa sensação que estamos em eterna construção.

Essa nossa distopia que nos tornam reféns de nós mesmos é traduzida naqueles pequenos momentos de dúvidas, medo e caos interno. Até porque, éramos nós mesmos que nos sabotávamos.

Nós olhamos nos olhos diante do espelho e enxergamos uma pequena anomalia intitulada por nossos nomes nas carteiras de identidade, um documento de papel que se assemelha tanto a nossa existência mundana e espiritual. Sim, somos frágeis feito papel.

Perguntamos se temos algo melhor nos esperando, se o melhor nos saciaria ou se teremos nosso lugar ao sol. Nisso percebemos que atrás dos nossos olhos habitam mundos inteligíveis nos campos dos sonhos e imaginação que nos deixa inerte bem aqui na realidade.

Ok, nos sentimos apequenados, derrotados e questionando se ocupamos a mente de alguém ou um coração que não quer mais ser refém. Nossa caçada é em meio a selva das cidades grandes e nos labirintos dos nossos corações, questionamos se o amor dói.

Sentimos, cantarolamos, sobrevivemos e nos reinventamos. Tudo isso porque não importa o tanto de vezes que caímos, nós sempre levantamos.

Relacionados

Precisamos falar sobre finitude Ontem, quase no final do expediente recebi a notícia que um ator, o Domingos Montagner, havia mergulhado no rio São Francisco e estava desaparecido. Um pouco mais tarde, olhei a notícia que ele havia falecido. Não consegui elaborar aquele luto, não era meu. Mas imaginei a dor dos fãs, amigos e, prin...
Empatia: 5 coisas para você colocá-la em prática... Calma, não venho com uma porção mágica sobre como mudar o mundo e torná-lo um lugar mais justo, tranquilo e revigorante de se viver, principalmente mediante ao número de problemas que somos bombardeados diariamente. Também não acho o mundo é melhor ou pior por conta das coisas que vivenciamos e pres...
E se a vida não fosse uma loteria? Ultimamente tenho parado pra pensar em como anda a vida e percebi que diminui minhas idas à praia para curtir o pôr do sol e comemorar as pequenas conquistas diárias que nossa jornada nos proporciona. Se você parar pra pensar, achamos que algumas coisas que foram muito importantes para nós em algum ...
A gente pode até não saber o que quer, mas temos c... Era como um sentimento que abusava, ditava e assombrava as vezes que me sentia um menino. Perdido, enfeitiçado e embriagado de tanta dor que só de lembrar, sabia as artimanhas que usava e mentiras que contava para disfarçar as cicatrizes presentes em cada canto escondido do coração. Se eu me punia? ...