Não, não tenha pena de mim

Essa síndrome do coitado não cola! Não que eu ache o mundo é injusto, o universo conspira contra a minha pessoa ou que eu mereça passar por alguma situação indigesta. Apenas existem coisas que realmente são necessárias a gente passar para dar lugar à algo mais maduro, sensato e pé no chão. E se for sentir algo por mim, sinta outra coisa, mas não pena.

tumblr_inline_ngpqp9cNvP1r456rw
Pena? Não, eu não tenho.

 

Diariamente somos sujeitos à provações e espécies de testes na eterna busca para encontrar o melhor de nós, e, em meio a isso, cambaleamos perdidos dentro de nós mesmos e confusos sobre os inúmeros papéis que desempenhamos. Têm horas que é difícil, pois existem aqueles dias que nem queremos levantar da cama e olhar o dia passar pela janela é uma forma de buscarmos dentro de nós mesmos quem realmente somos. É refletir.

Mas existem, também, aqueles dias leves e disponíveis, em que tudo parece caminhar como um rio com a simples consciência que vamos encontrar a imensidão do mar, aonde não importa os desafios, montanhas, declives e aclives, a água segue o rumo e desafios sem perder a essência. É aquela essência que temos e malemolência de que vamos em frente.

O que quis abordar nos dois últimos parágrafos foi um exercício de extremos, pois passeamos muito entre um e outro e não se deixar muito por um ou por outro é importante, esse equilíbrio e jamais estabilidade. E isso vai fazer mais sentido nas próximas linhas.

Ok, mas o que tem a ver com “pena”?

Calma ansioso, o que quero compartilhar – e por que não pedir? – é algo simples e complexo também, que é não pedir o sentimento de pena sobre mim (leia-se nós).

Sri Prem Baba em um dos seus inúmeros ensinamentos explica a diferença entre pena e compaixão de maneira simples e direta:

A diferença entre compaixão e pena

É a mesma diferença entre o dia e a noite; entre luz e trevas. A pena é egoística e a compaixão é altruística. Você somente sente dó de si mesmo – o outro é um reflexo de algum aspecto seu. Ao sentir pena, você não enxerga o outro e não o respeita. Você não está interessado nele – você quer somente se livrar do seu problema, porque o sofrimento do outro está lhe incomodando. Ele está espelhando o seu próprio sofrimento, o qual você se recusa a enxergar.

As lágrimas da pena são superficiais porque nascem de uma máscara do bondoso e caridoso. Essa máscara encobre o egoísmo. Por trás dela existe um congelamento, uma impermeabilização que te impede de fazer empatia e colocar-se verdadeiramente no lugar do outro. Porque você só faz empatia se houver amor e, se existe amor pelo outro, você respeita aquilo que ele precisa experienciar. Se você ama as pessoas na rua, coloque-se no lugar delas e verá que dar dinheiro não ajuda em nada. Em algum caso ou outro pode ser que ajude, mas, na maioria das vezes, você está apenas alimentando o vício de pedir e a ilusão de impotência, entre muitas outras fantasias que fazem com que elas fiquem nesse lugar.

Se o amor está transbordando do seu coração e se você realmente se importa com o outro, encontre um meio para ele se levantar. A compaixão é desinteressada. Você quer realmente ver o outro feliz; você quer vê-lo brilhar, respeitando o processo dele.

E como você se move da pena para a compaixão? Libertando-se da projeção.”

Pense comigo: não é de pena que o mundo precisa, é de compaixão. Isso de despertar dentro da pessoa coisas boas e lembrá-las que ela é um ser único nesse universo.

Por fim peço, não sinta pena, nem de mim, nem de si, nem de ninguém, mas sinta sim, compaixão.

Relacionados

Eu leio, você escreve – Precisamos discutir essa r... Era uma conversa normal de bar (Veneto, para os mais íntimos), sou aquela pessoa apaixonada por boas conversas e digo sempre: as melhores teorias de dominação mundial surgem naqueles momentos, entre uma cerveja e outra. Pois bem, os assuntos foram rolando no modo aleatório, em tempos de crise polí...
A amizade madura Colega, parceiro, amigo, irmão. Escolher a maneira e o grau de importância de um amigo na sua vida é algo de responsabilidade sua e apenas você pode medir essa escala no seu campo emocional e vivência com tal pessoa. Em que lembrar que existem, também, altos e baixos na relação de amizade faz parte ...
Coletivo Maria de Lourdes – A Sororidade em ... Já fomos submissas -  e algumas ainda são- , já queimamos sutiãs, já fomos a parcela mais frágil da população, e já aprendemos a lutar para superar tudo isso. A vida nos fez fortes e a batalha continua.   Uma mulher incomoda muita gente.  Todas juntas incomodam muito mais!    Fot...
Não importa o tanto de vezes que caímos, nós sempr...   Seja em pé no ônibus a caminho ou na volta do trabalho, nos olhares familiares de estranhos, no silêncio da madrugada ou amores acabados, sempre nos reinventamos. É legal essa sensação que estamos em eterna construção. Essa nossa distopia que nos tornam reféns de nós mesmos é traduzida naque...