O que Florentino Ariza nos ensina em “O Amor nos Tempos do Cólera”?

Considero livros e leituras algo muito pessoal. Leio uma pequena dezena de livros ao ano e normalmente converso sobre eles com pessoas específicas. Mas “O Amor nos Tempos do Cólera”, do meu insuperável e fantástico Gabo [Gabriel García Márquez], precisa ser refletido de um jeito mais amplo. Isso porque além de órfã depois do fim, senti que não entendia nada ou bem pouco sobre o amor.

Ouso arriscar que García Márquez sabe escrever sobre o amor como mais ninguém. Mas dessa vez, ele esqueceu de avisar que ao ser apresentada a Fermina Daza e Florentino Ariza, eu seria confrontada com um amor devoto de “cinquenta e um anos, nove meses e quatro dias.

Gabo foi magistral ao comparar o grande sintoma do mal estar da América Central – o cólera – ao amor, como se o fosse a própria doença, deixando aqueles que por ele foram acometidos a morrer, morrer de amor! Parece estranho pensar isso aqui, do auge da geração do desapego, e do vem fácil, logo, vai fácil.

Na história, Florentino se apaixona por Fermina, os dois começam a trocar cartas e juras de amor eterno [o primeiro amor desperto tem mesmo dessas coisas avassaladoras], mas o pobre rapaz não era o pretendente que o pai havia projetado para a filha, e portanto, indigno demais para a dama caribenha. O amor então lhes é anulado e sepultado primeiro pelo patriarcado. Fermina viaja. E ao regressar o primeiro encanto já não existe, e Florentino passa a ser só um pobre rapaz aos olhos da moça; dessa vez é ela quem lhe parte o coração ao se casar com Juvenal Urbino.

Florentino amou Fermina com amor eterno. Porém não lhe foi submisso, viveu a própria vida e construiu sua história, seu nome, sua herança e seus amores. Porque sim! como nos diz o próprio Garcia Márquez: “Pode-se estar apaixonado por várias pessoas ao mesmo tempo, por todas com a mesma dor, sem trair a nenhuma”. E sempre havia Fermina, aquela a quem ele devotara o coração.

Esse foi o estranhamento causado, a devoção, a eterna espera pelo incerto que não nos parecia certo; devo confessar que tive raiva da criatura, o Florentino. Onde está teu amor próprio, homem? Questionei. Mas havia aquela certeza cega sem jamais fracassar, que eles estariam juntos ainda que na velhice.

E assim tive que lhe destinar um pouco de admiração e respeito.

Em tempos de amores líquidos e em que o cólera já não assusta mais, será que não temos saído perdendo com a má construção das nossas relações, tornando-as frágeis e efêmeras?  Será que já não estamos vivendo o equivalente ao cólera em relação ao amor, e estamos nos tornando mais propensos a defesas e finais não dolorosos, ao desapego, e ao “melhor não arriscar”? Será que Florentino poderia ser uma inspiração em pleno séc. XXI? Ou tornou-se obsoleto amar assim? Tantas questões… Tantas questões…

Mas eles triunfaram em seu amor. Porém não tardiamente, como pensei antes, e sim em tempo, onde mais uma vez o Gabo me ensinou uma lição: “Coisa bem diferente teria sido a vida para ambos se tivessem sabido a tempo que era mais fácil contornar as grandes catástrofes matrimoniais do que as misérias minúsculas de cada dia. Mas se alguma coisa haviam aprendido juntos era que a sabedoria nos chega quando já não serve para nada.

A gente sabe que dá medo arriscar e ter fé “cega” em algo – no amor, nos sonhos, na vida, em tudo – mas, “tente, ainda que você esteja morrendo de medo, ainda que depois se arrependa”, apenas se dê uma chance. Poderia ser só a Joceline dizendo, mas foi o Gabriel García Márquez, deem um crédito a ele.

Relacionados

Carta à dona do sorriso mais legal dos últimos tem... Sim, daqueles que só de imaginar, surge uma ponta de alegria que não tem explicação – pois este é um dos melhores motivos para estar de boa e leve. Porque você sabe bem como compartilhar, isso que as linhas que teu rosto faz ao expressar tamanha simpatia apelidada de timidez. Uma carta endereçada a ...
Carta para Maria, minha filha que ainda virá Maria, filha do meu desejo que tantos outros nomes já teve, mas o atual foi gravado em mim a ferro e fogo, assim como o nome que darei ao teu irmão. Quero lhe dizer algumas coisas e permitirei que tu leias em tempo certo, porque é sobre isso que essa carta discorre, sobre os tempos. Portanto, ...
Você tem liberdade para ser e fazer o que quiser Uma das maiores formas de valorizar a si próprio é respeitando a sua liberdade individual sem invadir o espaço do outro. Seja qual for a sua liberdade, procure exercê-la. Uma das maiores belezas da vida é poder ser livre para, simplesmente, ser quem se é. Para alguns pode parecer algo óbvio ou até m...
Você pratica o amor ou apego? Vendo esta pergunta assim de primeira, eu tenho quase certeza que você vai disparar algo do tipo: Claro que pratico o amor! O problema é que o mundo que anda hostil e as pessoas cada vez mais individuais, e a gente acaba se blindando, se fechando e com medo de viver de peito aberto praticando o “amo...
  • Reginaldo Junior

    Emocionante.