O que um cão chamado Jimmy e seu dono desenhista têm a nos ensinar sobre o amor

De que o amor tem várias facetas, níveis, estruturas e histórias de bar, já tomamos conhecimento. Já sacamos, também, que ele pode nos levar para as melhores-piores-melhores viagens possíveis, onde, como toda boa travessia, tudo vale: a ida, a chegada, quem vai, quem fica e quem volta. E, sobretudo, o que a gente faz com tudo isso e com o que sobra no fundo do pacote. Nesse meio tempo, eventualmente, nos perdemos de nós mesmos. Porém a magia de se atentar ao redor e perceber quem nunca abriu mão da gente é lindo de se viver e até reconfortante. Como a história do publicitário mineiro Rafael Mantesso, que quando seu casamento acabou, o que sobrou nós vamos contar hoje.

O que pode surgir de: um apartamento TOTALMENTE vazio. Paredes e chão brancos. E um Bull Terrier chamado Jimmy Choo? Bom, deixo com vocês a resposta:   

JIMMY1
Rafael Mantesso e Jimmy Choo. (Foto: Divulgação / IG: @rafaelmantesso)

 

A vida é exatamente aquilo que VOCÊ QUER fazer com ela

A nossa forma de se relacionar com o amor, em geral, é cíclica e “drummoniana”: “…hoje beija, amanhã não beija, depois de amanhã é domingo” e é vida que segue.

JIMMY3
Foto: Divulgação

Depois de ficar sem nada no apartamento, a não ser com uma tristeza e um cão fiel-apaixonado, Mantesso resolveu matar a melancolia de fim de romance desenhando e fotografando com auxílio de seu muso bem-humorado e enérgico, Jimmy – que é assim chamado por conta de um outro amor, o da ex-mulher de Rafael pela grife londrina Jimmy Choo.

Depois de alguns cliques certeiros e toda sintonia, Jimmy e Mantesso ganharam a internet e sucesso no Instagram – além de serem descobertos e assinarem contrato com a, ahá,  Jimmy Choo – na qual possuem uma linha de bolsas e acessórios femininos com o garoto-propaganda de quatro patas estampando as peças.

Poderia ter sido um caminho ao fundo do poço (ou coisa parecida) depois de um fim de casamento, ou inúmeras entregas à revolta e ao caos que, vez ou outra, a vida se torna depois de um fim de casamento. Mas ‘não foi’. Tinha o Jimmy. Tinha um cão. E teve uma parada chamada amor.

JIMMY4
Diga lá se não é muito amor envolvido?! | Fonte: http://www.fashionheels-us.com/ | (Foto: Divulgação / IG: @rafaelmantesso)

 

A solução para os nossos problemas está nas (aparentes) pequenas possibilidades

Se você lança amor, você recebe o quê? (Foto: Divulgação / IG: @rafaelmantesso)

A história de Rafael poderia ser a minha ou a sua. Nossa história, vida e trajetória… Aquela coisa bacana que nos revira do avesso e nos joga na lona quando não sai como a gente planeja. A história do Rafael poderia ser a do fim do nosso casamento também. Mas o que ele fez no fim de tudo, ah, isso sim, isso deve ser nosso também.

Fotografar o Jimmy, usar da criatividade para superar um momento difícil, e desenhar, rabiscar, pintar e “criativizar”,  todas essas possibilidades têm uma característica em comum: se desconstruir, reinventar e amadurecer.

Em um mundo cheio de ruídos, a gente mal tem se enxergado, se ouvido, apenas captado o desembaçado sobre o que está ao redor. Temos optado por mergulhar nesses desarranjos considerando que o que está aí já está remediado. E não, não está. O nome disso aí se chama “descrédito” e a gente tem que superar.

Viver é começar acreditando que vai rolar. A vida é cuidadosa que a essência está grafada até no nome: [vi-da] só tem quatro letras para um oceano de segredos.

Nesse sentido, o fim de nossas lamúrias está numa conversa, e não em um rompimento trágico com anos a cronometrá-lo; não está em tentar acabar com a própria vida, mas rogar a um deus maior  – ou a vários –  que melhor lhe convenha; não está em agredir (simbolicamente ou fisicamente) o outro, mas apenas sair de perto; não está em falar mal dele para os outros, mas sim, evitar falar sobre ele para os outros.

É saber que não preciso ir pra Paris para superar um arrebatamento cruel do fim de uma jornada, é saber que posso ir à praia, ficar de frente pro mar, respirar fundo e dizer que é hora de por tudo em seu devido lugar. É basicamente fazer aquilo que se ama: conversar, falar, pegar sol, ler, ouvir, silenciar; comer brigadeiro só pra ter certeza que tá vivo. E pode, sempre que quiser, fazer outro brigadeiro e mais outro e mais outro…. Ou, pegar tudo isso, mesmo que não as ame, mas fazê-las, por exemplo, só para mostrar que você, no fim, pode se amar e o resto é lucro. E merece isso.

E o melhor de tudo isso: é descobrir que dar carinho é o melhor caminho para receber amor. E ser feliz.


Ou se inspire com o livro dos parceiros Rafael e Jimmy e siga em frente!

Relacionados

Qual seria sua reação se alguém falasse que você é... Quando foi a última vez que você ganhou um elogio? Ou melhor: alguém falou o quão belo você é hoje? Provavelmente sua reação seria uma dessas. Ou não. (Foto: Reprodução / YouTube) O vídeo a seguir traz algo bem simples: registrar as reações de pessoas quando são chamadas de bonitas. Intitula...
Vídeo mostra o choque tradicional e moderno do Jap... Morei no Japão por um ano. Meus pais foram para lá quando eu ainda era um bebê e, aos 9 anos de idade, fui parar lá depois de uma conversa informal com a minha mãe pelo telefone (na época internet não era um luxo tão simples assim). Em um ano, estudei com os anfitriões, aprendi (apesar de hoje estar...
Pessoas que Inspiram #3: Édison e 30 anos cortando... Fazem mais ou menos uns quatro anos desde que abandonei o cabelo comprido e visual de headbanger, isso porque havia passado no vestibular e adentrado no mercado de trabalho. Fazem mais ou menos quatro anos que topei com o Édison, um homem de voz tímida e baixa, de educação, humildade e, facilmente, ...
2016 foi treta, mas nem tudo esteve perdido, teve ... Primeira chuva de dezembro. 2016 indo embora. Que puta ano! Cheio de baixos, devo admitir. Mas rolaram uns altos que trouxeram um afago gostoso no meio do turbilhão – o SoT, por exemplo –. Fiquei procurando uma analogia que abarcasse o Feeling, do momento e do ano. Lembrei de uma cena do filme Clube...