O que você faria se presenciasse uma cena de racismo?

Queria dizer o contrário, mas o racismo é um problema ainda vivo e não basta pesquisar muito para listar o número de situações que, surpreendentemente, ainda acontecem mundo a fora. Infelizmente.

Navegando pela internet e lendo conteúdos acerca de mente e corpo, me deparei com um vídeo que mexeu e fez reavaliar inúmeras coisas que até eu então eu considerava corretas e erradas, sobre tudo. O vídeo traz a seguinte situação: Uma barbearia localizada em um bairro de sua população negra, quando um casal inter-racial (ele negro, ela branca) e uma garota negra começa comentar e insinuar várias coisas para o casal e principalmente à garota, até que algo incrível acontece. Pra entender:

PS: Atente-se para a última mulher.

Somos iguais, todos.

Meu recado hoje aqui é simples. O vídeo fala por si só e a mensagem ao final traz algo que vale muito a pena refletir e repensar. Trata-se de algo que não está no mundo exterior, mas sim no mundo interior, sobre como você lida com as diferentes pessoas – leia-se universos – que habitam ao nosso redor.

A lição da última mulher do vídeo é algo inspirador, pois ela traz consigo uma bagagem formada por empatia, em que nos mostra que somos todos iguais e que se você passar entender a si e depositar coisas boas suas no mundo, você receberá exatamente o que você emanou. É o ato de transbordar e vivenciar de maneira plena consigo essa experiência chamada vida, além de nos evidenciar que temos sim um coração bom e carinhoso, mas que temos uma mania sem sentido de querer ficar preso ao lado negativo da vida.

Por fim, o que quero dizer é que a intolerância, ignorância, maldade e o racismo são coisas que estão sim aí, mas coisas como alegria, empatia, tranquilidade, amor e respeito, são coisas que, também, estão disponíveis para nós e que é nossa responsabilidade cuidar e tratar de emponderar tudo e todos ao nosso redor. Você não precisa pisar nos outros pra se sentir bem, pelo contrário, sabe.

Mas e aí, já se perguntou por que você se sente suficientemente bem quando realiza ao de bom?


*Texto originalmente publicado aqui!*

Relacionados

Coletivo Maria de Lourdes – A Sororidade em ... Já fomos submissas -  e algumas ainda são- , já queimamos sutiãs, já fomos a parcela mais frágil da população, e já aprendemos a lutar para superar tudo isso. A vida nos fez fortes e a batalha continua.   Uma mulher incomoda muita gente.  Todas juntas incomodam muito mais!    Fot...
Precisamos falar sobre finitude Ontem, quase no final do expediente recebi a notícia que um ator, o Domingos Montagner, havia mergulhado no rio São Francisco e estava desaparecido. Um pouco mais tarde, olhei a notícia que ele havia falecido. Não consegui elaborar aquele luto, não era meu. Mas imaginei a dor dos fãs, amigos e, prin...
Escolha uma vida em que sinta coisas que nunca sen... O que é a vida se não um projeto em eterna construção, com reiteradas lições e aprendizados da linha tênue de sentimentos e emoções inconstantes que ela nos presenteia para desbravarmos a fim de lapidar a nossa melhor versão? Já dizia Chaplin: “A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Po...
Meu pai, minha mãe, meus irmãos, amigos, avó: quan... Olá, saudações de outro tempo! Como vai você, ser-do-futuro? Então, por aqui, no presente em que escrevo, tudo vai bem. A temperatura está amena e o tempo tá com cara de que vai cair um pé d’água! Por aí, já deve ter chovido, né? Ou tudo não se passou de uma peça pregada pelos céus para que to...