O que você vai ser depois que esquecer?

Ao longo do tempo, de acordo com nossas experiências e relacionamentos, temos a tendência de sobrepor algumas ações e comportamentos, enterramos o que existe de mais genuíno do nosso ser para que as “coisas deem certo”. Essa busca por aceitação nos leva a modificar boa parte das nossas crenças, suavizar nossas descrenças e fantasiar um novo “eu” que se encaixe perfeitamente na fantasia de uma outra pessoa. Fatidicamente, o que era para dar certo, dá errado. E agora?

sot17092015

Em dado momento essas relações chegam ao fim, o que fica é uma sensação de vazio e perda da nossa identidade – identidade essa que foi construída para esse “encaixe social”, seja com alguém ou com um grupo. Em seguida, passamos por uma ebulição de novidades emocionais, que na verdade não são tão novas assim, pois já estavam lá guardadas, sendo suprimidas para a construção dessa identidade social, ou fantasia de aceitação.

Com o fim do relacionamento, ou relacionamentos, começamos a sentir que essa fantasia não é mais necessária, e começamos a retirar peça por peça, comportamento por comportamento, vontade por vontade. Desnudos de uma roupagem de desejos, jeitos e trejeitos que nunca foram nossos, encontramos alguém que a muito estava perdido. Sim, começamos a esquecer o personagem que construímos e começamos a conhecer a pessoa que sempre fomos. E efetivamente, quem sempre fomos?

Não gostaria de deixar aqui uma opinião fechada, que busca definir as coisas como certas ou erradas, mas quando você começar a esquecer, vai começar a perceber a pessoa linda que sempre foi, vai entender que se tiver que mudar uma outra vez para que “dê certo”, alguma coisa está completamente errada e que somente as coisas verdadeiras podem durar. Na verdade, a mentira nunca foi o caminho para coisa alguma, a não ser o caminho para o inevitável e triste fim.

Mas, e aí? O que você vai ser depois que esquecer?

Relacionados

A vida sempre dá uma nova razão Incrível como as surpresas da vida se desenham como se fossem uma montanha russa, e basta aquela sensação gostosa de estar no alto, seguro em um ambiente completamente confiável, pra que logo em seguida venha aquela sensação de chão desabando, um buraco se abrindo,  que parece que vai sugá-lo a qual...
Sinto muito se não fui seu mais raro amor Que é que eu vou fazer pra te esquecer? Sempre que já nem me lembro, lembras pra mim Cada sonho teu me abraça ao acordar Como um anjo lindo Mais leve que o ar Tão doce de olhar Que nenhum adeus pode apagar... Quando você vive uma determinada situação/experiência/relacionamento, você(s) promete(m) a ...
Quão inofensivo é o sorriso que você provoca? Quem me conhece sabe o quanto eu curto humor negro. É, sou culpado disso bem aí. Minha cabeça é altamente qualificada para fazer piadas com coisas que ninguém mais faria e ainda consigo arrancar boas risadas. Para ficar mais claro, quando digo "humor negro", embora tenha uma predominância de tragéd...
Sobre a busca por equilíbrio Há pouco mais de 5 anos, comecei a praticar Yôga a pedido da minha mãe. Sempre tive curiosidade, mas o interesse nunca foi suficiente. No início da prática, a absorção do real significado da Yôga não era visível para mim, sempre que iniciávamos a vocalização dos Mantras eu começava a rir, achava a m...
  • Ei, João.
    Você trouxe aqui uma boa reflexão.
    Há alguns anos, carrego comigo um livro chamado “Os Quatro Mandamentos”, escrito de acordo com a filosofia dos Toltecas. Ele aborda, de forma diferente, um pouco do que as “pressões sociais” fazem conosco, ocultando nossa essência.
    Sempre penso em coisas assim também quando lembro de Kurt Cobain e sua famosa “Prefiro ser odiado pelo que sou a ser amado pelo que eu não sou”. Tenho um quadro dele com essa frase e me guio por ela diariamente. É um exercício constante e se desprender de amarras e sair dos personagens, mas eu tento fazê-lo. Existem algumas desvantagens, talvez pelo fato de “ninguém” querer que sejamos nós mesmos. Há sempre uma expectativa sobre o outro e um cerceamento geral da liberdade alheia. Por enquanto, optei por viver com essas desvantagens e ver no que dá…

    • João Silva

      Muito show Lari!
      Fico feliz em ler seu pensamento nesse comentário. Realmente encontraremos barreiras e teremos desvantagens na escolha por nós mesmos, contudo, a certeza de ter escolhido até os problemas que virão, meio que compensam bastante essas durezas que iremos enfrentar. 😀