O som que rola agora no Fusca 86 #3: o som do pernambucano Barro

Vruum…
Vruummmm…
Vrum…

Tem dias que o Fusca não liga, tem dias que o rádio não pega, mas quem tem Fusca não tem pressa. (Foto: Jonas Sakamoto / Sobre O Tatame)
Tem dias que o Fusca não liga, tem dias que o rádio não pega, mas quem tem Fusca não tem pressa. (Foto: Jonas Sakamoto / Sobre O Tatame)

Faz quanto tempo desde a última vez que nos vimos? Senti saudades exatamente na Curva do 90, a 60km/h dentro de um Fusca 86 bege. Então, voltei. Precisava mesmo falar com vocês.

Vai quando a gente não trai
O que a gente gente quer bem
Deixa o que sobrou pra trás
Vai duas vidas a mais
Te fizeram capaz
De ferir tua visão
Vai quando a gente não vem
Leva sempre um porém
Dentro do teu coração
(Trilha de hoje)

Tem dias que dirigir Fusca é como entrar numa máquina do tempo. Mas, antes disso, queria alertar que a chuva pode calar o som do teu carro, cuidado!

O ano ainda não tinha terminado, depois de levar Prince, George Michael e muitos outros, não satisfeito, calou o coração do meu Fusca. O motor? Não, o meu rádio.

Antes do fim de ano, é quase um ritual chover em São Luís, apesar do período de chuva constante ser outro. Ignorando isso, liguei o carro e fui correr por aí. Não havia sinais de fumaça, mensagens no celular e muito menos nuvens que precedem aquele ar de chuva – mesmo que tivessem, a gente costuma ignorar. Guarda-chuva é elemento raro por aqui antes de março/abril. De repente, como de costume, tudo fecha e o que não era promessa, vira dívida. Quitada, inclusive.

O meu limpador de para para-brisa foi e voltou… Parou.
O meu som tocou duas músicas… Também parou.
O que me restava fazer? Parar.

Pode chover, pode esquentar
A noite cai
Pode tremer, relampejar
A festa é popular

Estava decidido ficar ali até a chuva – que conseguiu levar duas partes importantes do meu carro – passar. Mas o vício é uma tortura quando o silêncio é gritante. Peguei o Smartphone, e graças as novas frequências dei o play no último disco que eu tinha baixado. Ouvi alguém perguntar por onde Amanda estava? Obrigado pela dúvida. Há uma hora dessas, ela já tinha descido e estava fuçando, tentando reativar o pára-brisa.

Depois de eu ter tentando sem sucesso, ela conseguiu um último suspiro de vida, não limpou tudo, mas pelo menos desembaçou a paisagem inconstante que a gente encarava enquanto ficávamos parados escutando um disco pelo qual a gente tinha acabado de se apaixonar. Para um voyeur, aquilo era quase um ménage.
Tradução para o maranhês: Para um maroca, aquilo era praticamente uma suruba.

Achei o disco do Barro no portal “Hominis Canidae”, foi como um tiro na alma que no corpo atingiu a espinha. Enlouquece, te faz dançar, dá arrepios. A primeira música traz um groove que te faz ter orgasmos múltiplos pelos ouvidos. O CD todo é um ritual que conduz ao nirvana. Sem exageros. Barro significa para mim o limite entre a tensão e a calmaria. Um CD plural. Na mesma noite, depois de ficar encucado com tudo que aconteceu naquele dia, corri no bate-papo e chamei uma grande amiga que está no Sul fazendo o doutorado para apresentar a ela o CD que eu havia descoberto. Ela me confessou que o dia tinha sido um furacão: saudade de casa, correria de tese e desencontros amorosos. Noutro dia, fui surpreendido com o comentário de que a música foi o mantra que a fez pegar no sono. Não entendam mal, a música não fez ela dormir. E fez. Mas o significado, neste contexto é totalmente positivo. Não é sobre ser chato e pacato demais e sim sobre trazer paz, outro elemento que as músicas dessa obra têm.

Pequena nota esclarecedora: Cantor, compositor e produtor musical, Barro inicia sua carreira solo em 2016. Nascido em Recife, o músico sintetiza influências da sua cultura com uma sonoridade pop. Elementos estes que exploram combinações entre os instrumentos eletrônicos e samplers nas experimentações ao vivo. Ao vivo, Barro canta, toca guitarra, violão de 7 cordas com pedais. A sua banda é composta pelos músicos Ricardo Fraga (bateria, sampler, spds e baixo) e Guilherme Assis (baixo, sintetizador, teclado e sampler).

“Depois de ouvir “Miocárdio” é necessário um cardiologista.”

Quase insisto no trocadilho, mas eu tenho certeza que o RH vai marcar dois pontos negativos para mim e a audiência vai despencar. Sendo objetivo, esse foi simplesmente um dos melhores discos que ouvi em 2016 e acho que pode ser uma ótima referência para quem busca um som que traduz o nordeste em 2017: CALOR. Não o calor da luz solar, nisso a gente perde feio pro Rio que tá com a sensação de 50ºC. Digo o calor entre as pessoas, o calor de querer fazer e fazer. Mesmo que os recursos não sejam os “top de linha” do mercado, mesmo que a grana seja tão curta quanto o medo de botar a cara para bater. Isso é nordeste, precisamente isso é o som que vem do Recife. O que ecoa por aqui é isso, é “feeling”.

É pegar na guitarra, no violão com vontade.

É tocar a bateria como se ela fosse a última.

É puxar nos vocais a tradução do que acontece no peito.

Não menosprezando o que acontece nos outros lugares. É apenas a ressalva do que é identidade daqui.

Onde estávamos mesmo? Ah sim! Enfim. Conseguimos sair de onde estávamos presos. O momento se eternizou com a trilha. O dia poderia ser traduzido como o dia que o meu fusca perdeu duas peças e eu ganhei um sorriso e vários motivos para agradecer pela vida e quem me rodeia. Pode parecer otimista demais, mas existem momentos e sensações que a música dá um “return”, quando se dá o “play”. Contrastante, mas verdadeiro.

O dia não poderia terminar melhor.

A trilha não poderia ser outra.

Agora tenho que ir.

Câmbio, desligo.

 

Relacionados

Veluria: um som maranhense para você conhecer Da esquerda pra direita: Gabriel Mendes (guitarrista); Gabriel Ferreira (teclado); Matheus Portela (vocalista); Teodoro Sanchez (baterista). (Foto: Israel Lucas) Veluria, uma banda de rock alternativo maranhense, começou a ganhar destaque em meados de 2016. Matheus, Teodoro, Gabriel e Ferreira s...
Aceite-C: Carol, música e reflexão Diante de tantas convenções, relações afetivas, profissionais e sociais; preconceito, hipocrisia e falta de educação, é cada vez mais difícil ver as pessoas agirem com naturalidade. Ser leve, de boa, livre – aquele lance de “seja você mesmo” é algo que está se tornando cada vez mais raro. Tenho a se...
QUINTA SOBRE MÚSICA #5 Poder ver o Lollapalooza Brasil 2015 de perto foi um presente que não sai da mente. Por mais que estivesse cheio de artistas mais recentes, como Young The Giant e Alt-J, não faltaram referências às décadas passadas - vide a apresentação tribal e cheia de excelência de Robert Plant. Sobre estas refer...
Drops SoT #3 – Superman: O Homem de Aço Batman vs Superman: A Origem da Justiça chega no próximo dia 24 de março aos cinemas e promete ser um épico nos cinemas ao colocar dois ícones da Cultura Pop em um mesmo filme. Mas você sabia que sementes sobre esse encontro foram plantadas há três anos atrás com Superman: O Homem de Aço? O filme...
  • Ludimila Matos

    Adorei o sentido de “calor do nordeste’… tenho entendido isso como nunca. Ele faz falta… ele traz paz. 😉

    • Pedro Henrique

      A gente está de braços abertos! Haha