Para Fábio: “Não importa onde estamos nossa mente é nosso lar”

Fábio passa aquela faixa oriental na cabeça e veste seu kimono. Parece que ele vai lutar – ou talvez vá, mas a roupa é porque ele vai começar mais uma noite atendendo desconhecidos no restaurante japonês que trabalha de terça a sábado. E hoje ainda é sexta.

sushi_by_xusha
Este poderia ser Fábio, mas poderia ser você, eu, seu vizinho, um parente ou um desconhecido. (Foto: Sushi by Xusha / Deviantart)

Antes de entrar no restaurante, Fábio estava sentado no meio-fio da calçada atrás do poste do outro lado da avenida de frente para um pequeno bosque que tem ali, ele estava aficionado no celular. Ele poderia estar vendo o Facebook, dando uma passada no XVideos ou checando o WhatsApp. Mas não, ele estava revendo as fotos da época de escola, vendo como rumos tão distintos, se tornaram caminhos desconhecidos. Principalmente pra ele, que se considera sonhador e várias vezes, escravo do medo.

Voltando pra noite. Pronto pra luta, Fábio atende as mesas, indica sushis bons e bebidas recomendadas para cada peça pedida. Tenta se divertir no trabalho, é recebido com grosseria e olhares desconfiados algumas vezes também. Pensa em recuar, mas arma dentro do seu coração elementos com altruísmo e leveza pra encarar o round da hipocrisia e ostentação dos que acham ele fraco perto daqueles que mostram seus relógios de ouro e ternos caros. Eles não sabem, mas riqueza para Fábio é a tranquilidade de um coração ao dialogar com a natureza sendo parte dela, um amigo compartilhar uma vitória ou, simplesmente, receber uma gratidão. Riquezas essas invisíveis aos olhos muitas vezes, mas que passa a sensação que somos infinitos muito mais do que uns zeros a mais na conta do banco.

Dá a hora de ir embora. Fábio pega sua mochila, se despede dos ‘sushimans‘, segurança e pensou no gerente, mas este foi embora por achar que seu cargo é chefia, ao invés de liderar. Mas Fábio não sabe disso, e apenas segue caminho para o ponto de ônibus.

Corujão, o último ônibus chega, Fábio e o motorista se conhecem, são parceiros de empatia e respeito de saberem que estão ali apenas tentando realizar seus sonhos e quitar umas contas que estão na cabeceira dos seus cantos.

tumblr_mcopjnsqOI1qz581wo1_1280
Às vezes, a rua pode estar lotada, mas é assim que vemos o caminho de volta. (Foto: Reprodução)

Sentado naquela cadeira alta do ônibus, Fábio observa a cidade deserta, luzes dos postes e a prefeitura trocando as lâmpadas do laranjas por de led. Depois de três bairros e sabe lá quantos pontos, é chegada a hora de descer. Ele não percebe, a cabeça dele flutua longe, pensamentos, saudades e momentos permeiam a mente e o corpo cansado parece estar mais anestesiado, do que cansado. Ele desce.

Já em casa, ele joga a chave, percebe o celular descarregado, coloca um som no notebook. Na cozinha, pega um Nescau em caixa e olha pra dentro da geladeira sem entender porquê, até resolver ir pro quintal. Sentado no chão ele olha o céu estrelado, acende o baseado e percebe a música ao fundo ao ouvir: “Não importa aonde estamos, nossa mente é o nosso lar“.

É Fábio, estar tranquilo consigo, as vezes, é mais importante que estar caçando alguns sentimentos sem sentido. Que assim deja.


PS: A frase do título e que encerra o texto é oriunda da música do grupo de rap Oriente.

Relacionados

O que você faria se presenciasse uma cena de racis... Queria dizer o contrário, mas o racismo é um problema ainda vivo e não basta pesquisar muito para listar o número de situações que, surpreendentemente, ainda acontecem mundo a fora. Infelizmente. Navegando pela internet e lendo conteúdos acerca de mente e corpo, me deparei com um vídeo que mexeu e ...
Uma carta para quando você quiser ir embora Tô há anos na tua vida. Ainda bem. Mas ainda te sinto escapar. Ainda te sinto, às vezes, fora do meu alcance. Mas agora é diferente. Te aceito. Quero te aceitar. Assim. Desse jeito. Sem querer mudar absolutamente nada. Te amo sem expectativas. Te amo porque não sei fazer diferente. Te amo porque tu ...
Aprende a ouvir, m****!!! Sabe aquelas frases que ouvimos desde criança? Tenho certeza que muitas delas ecoam na cabeça de vocês. Desde um "eu te avisei" da mãe ao "você devia ter prestado atenção" do pai, passando por tantos outros exemplos. Agora, pare, pense e reflita sobre todos esses bordões que lhe acompanharam na sua ...
Você pratica o amor ou apego? Vendo esta pergunta assim de primeira, eu tenho quase certeza que você vai disparar algo do tipo: Claro que pratico o amor! O problema é que o mundo que anda hostil e as pessoas cada vez mais individuais, e a gente acaba se blindando, se fechando e com medo de viver de peito aberto praticando o “amo...