Pessoas que Inspiram #2: César e 4 anos com sua barraca de DVD

Levantei hoje com o objetivo de cortar o cabelo. Tomei café e fui ao banco. Já na fila do banco gastei uns 40 minutos presenciando confusões, bate-boca e muita paciência, mas consegui sacar a grana pro corte. Chego na barbearia e falo com o Edison (que terá sua história em breve por aqui), o meu barbeiro, e ele me avisa que tem duas pessoas na vez. Falo que vou aguardar e sento no banco na porta do salão e, de repente, me atento a movimentação de um pequeno senhor e sua barraca de DVDs piratas.

cesinha
Este senhor. Apresento-lhes, Cesinha. (Foto: Jonas Sakamoto)

Depois de observá-lo todo zeloso ao colocar um plástico para cobrir seu “ganha-pão” da chuva rápida que caiu e, em seguida, usar todo um aparato (que é possível ver na foto acima) para apoiar o guarda-sol em cima de sua mercadoria, não resisti, o chamei e perguntei seu nome e iniciamos uma conversa de cerca de 20 minutos que compartilho nas linhas a seguir:

Já trabalhei 15 anos de empacotador em supermercado, já vi de tudo. Vi gente chegar entregando currículo, a pessoa receber, ir atrás da loja (pelo que entendi onde fica o depósito com as mercadorias e onde fica a gerência de estabelecimentos assim) e quando não ver ninguém por perto, jogar fora o currículo da pessoa que entregou no lixo. Isso é uma falta de respeito, fica iludindo a pessoa. Chega e diz que não tem emprego, é melhor“.

Feito esse resgate de sua história, perguntei sobre sua barraca:

To com essa barraca há quatro anos, eu mesmo faço meu horário. Durante a semana fico aqui nesse ponto e pedi com o dono da loja de tecido (ao fundo da foto) para ficar aqui e ele deixou. Ele até acha melhor porque não chega carro estacionando aqui. Já no fim de semana, vou ali para praça (a mesma praça que tem a barraca de guaraná da dona Irene) e vendo meus DVDs lá“.

Eu ficava na praça, mas a Blitz vem e leva tudo. Diz que vai devolver, mas não devolve nada“. César sabe que é errado comercializar DVD pirata, mas é o ganha pão dele: “Eu sei que é errado, mas já tentei voltar trabalhar, mas na minha idade, ninguém oferece emprego“.

Fiquei curioso com um dado sobre suas vendas, questionei qual o tipo de DVD que mais sai. Ele sorriu, se aproximou e falou: “Sai muito pornô, sabe.”, aumentou o tom e em seguida completou conversando normalmente: “Sai muito filme e DVD voltado para as crianças também“.


César Junior, ou Cesinha como todo mundo o chama, é solteiro, tem uma filha, mora com o irmão e o sobrinho. Vende DVD pirata porque não consegue emprego devido sua idade e dificuldade de ofertarem emprego para ele. De voz baixa e calma, comentou que na região que ele fica na feira, todo mundo se conhece e se respeita.

___________________________________________________________________________________________________________

Pessoas que Inspiram é um quadro que tem como objetivo contar histórias de pessoas do cotidiano, que tem uma história de vida e, as vezes, é esmagada com a avalanche de pré-conceitos, olhares, julgamentos, mas, que na verdade, esconde uma história de vida que pode se assemelhar com a minha ou com a sua. É um quadro que visa buscar empatia. Até porque, temos que respeitar cada pessoa que olhamos nas ruas.

Relacionados

Amor de mãe, Rapper gay, nos aceite, Magra de Ruim... Maio foi de algumas boas novidades nos bastidores aqui do nosso espaço. Mais pessoas entraram para somar porque acreditam no nosso propósito e em breve darão as caras por aqui, mas você pode conhecê-los um pouco aqui na página de autores. Para o mês de maio trouxemos entrevistas, histórias de pes...
Pessoas que Inspiram #4: Dona Conceição e uma hist... Serenidade no olhar e uma história de vida para contar. (Foto: Ingrid Barros) No dia da ida à Capela de São Pedro, em São Luís, enquanto esperava o ônibus para ir pra casa de uma amiga, uma senhora muito simpática se aproximou. Vinha da casa de sua irmã, que mora próximo à Praça do Letrado, no bai...
Pessoas que Inspiram #5: Jaana Pinheiro, uma trans... Texto da Monique Moraes, do projeto Su Causa Mi Causa, especialmente para o Sobre O Tatame. Nordestina. Maranhense. Designer. E uma Transformadora Social em contínua construção. (Foto: Laíza Amorim) Eu conheci Jaana em 2012, nessa época, ela era Capitã do Imagina na Copa, um projeto para divu...
2016 foi treta, mas nem tudo esteve perdido, teve ... Primeira chuva de dezembro. 2016 indo embora. Que puta ano! Cheio de baixos, devo admitir. Mas rolaram uns altos que trouxeram um afago gostoso no meio do turbilhão – o SoT, por exemplo –. Fiquei procurando uma analogia que abarcasse o Feeling, do momento e do ano. Lembrei de uma cena do filme Clube...