Saudade do tempo: uma crônica de uma lembrança ou aquela sensação de “valeu a pena”

Saudade do tempo que descia na parada de ônibus e chegava até em casa de boa só recapitulando o saldo do dia e pensando se to realizando meus sonhos.

tumblr_me7i8ssw3L1r1hjx6o2_1280
Sabe aquela saudade das caronas nas estradas genuínas da vida? Pois é.

Me via algumas vezes perdido, outras vezes sonhador e outras inerte demais. Olhava, também, a vizinha com aquele ritual sagrado de acender o cigarro e ver o pessoal andando na rua e carros pra lá e pra cá no seu caos particular.

Nem sei se é saudade de uma velha infância, ou de como as coisas operavam nos detalhes de dias que iniciavam às 6h da manhã e terminavam as 0h com os sapatos no chão do quarto, Pantera no notebook e o corpo estirado na cama com o celular apitando e aquela mensagem da minha mãe perguntando se iria jantar ou comer pela rua mesmo.

Pensando nisso tudo, me peguei lembrando das risadas de dias alegres, suor dos difíceis e gratificantes em meio aos engarrafamentos de avenidas apertadas. Quando abro a mochila está lá aquele livro do velho Leminski. Ao abrir me deparo com o seguinte poema:

nascemos em poemas diversos
destino quis que a gente se achasse
na mesma estrofe e na mesma classe
no mesmo verso e na mesma frase

rima à primeira vista nos vimos
trocamos nossos sinônimos
olhares não mais anônimos

nesta altura de leitura
nas mesmas pistas
mistas a minha a tua a nossa linha

Não sei, de repente, percebi que não estava sozinho preenchendo essas linhas. Mas sim, vários de nós.

**

PS¹:Aos que levantam e vão dormir com uma sensação de inércia e movimento dentro de si. Assim, tudo ao mesmo tempo no balanço do cotidiano.

PS²: um obrigado ao brother das palavras Alysson Augusto do blog Ano Zero pelo insight involuntário pro título do post.

Relacionados

Então vem cá Esquece esse mundo louco, essas pessoas perdidas dentro de si, esquece a nota que você quer pra fechar esse compasso, deixa assim... Pela metade. Vem cá, vem. Vamos sorrir, dançar, brincar, se divertir, errar. Deixa de lado essa pré-disposição de querer ser perfeita, curto em ti esses traços de i...
O mundo além da esquina da rua Elenco do filme "Os Batutinhas", clássico dos anos 90. Não sei vocês, mas quando eu era criança existia todo um mundo para ser desbravado e burlar um pouco as leis dos meus pais caracterizava-se como uma verdadeira aventura. Daquelas que tu elaboras o plano com o coleguinha, sai de casa com passos...
A vida é uma grande despedida A vida é uma grande despedida. E nem sempre nós temos a oportunidade de dizer adeus. Isso confere certa beleza poética à nossa estadia por aqui. Tudo segue seu fluxo rumo à finitude, mas a gente sempre quer mais. No entanto, é bom que a gente saiba aproveitar aquilo que nos rodeia, e é bom também sa...
Tava pensando em você Não, eu nem me perco nessas ideias de uma nuance de você e seus trejeitos, é tão você que não complexo tanto. Sabe, não busco entender metade dos acasos da vida, a gente enlouquece nisso. Te busco e trago para mim apenas ensaios de um universo paralelo do viver. Não sei,  eu estava ali, na m...