Sobre as sementes que plantamos e os terrenos que cultivamos

Não sei vocês, mas comigo existem dias em que voo baixo e outros que voo alto, e, nesses picos de emoções, acabo me pegando em inúmeros questionamentos com o intuito de saber qual é a real aqui nesse plano. Nisso, vejo que vamos assim, trilhando caminhos, caindo em becos e guardando aquela sensação de descoberta contínua. Mesmo que inconscientemente, semeando em terrenos que ora são férteis, ora são difíceis de plantar. É sobre raízes e relações que vamos conversar aqui.

frase1
.às vezes é bem assim.

Para tentar ilustrar de maneira simples que irei abordar aqui, vou dividir em três momentos este post: existência, mar de emoções e sintonia.

E, por favor, não encare esses pontos como uma viagem ou pensamentos soltos que passam longe da nossa realidade.

Existência

Acho que é consenso que somos arquitetos de cada experiência que vivenciamos, em que haverão momentos que estaremos por cima e outros por baixo. Além das fases que parecem nunca passarem e o ciclo vicioso da eterna insatisfação.

Navegar por isso e se equilibrar é fundamental nessa jornada, pois dos tumultos internos e harmonias temporárias que acontecem no nosso interior é parte inerente nossa. Somos apenas nós com nossos anseios e medos. E esse ‘lugar’ aonde pairam os questionamentos, experiências, aprendizados e erros são partes da nossa existência.

Essa existência é algo muito amplo e ao mesmo tempo bem simples, porque somos eternos inquietos, sempre exploradores e conquistadores dessa sequência de encontros inéditos.

Então antes de disparar dramas e se vislumbrar sobre a vida, busque apenas equilibrar-se na vida sempre questionando se você vive ou existe.

Mar de emoções

Moro em uma cidade que é uma ilha, em que estamos de frente para outra e a travessia entre elas demora cerca de uma hora e meia. E apesar de ter ido com uns amigos, busquei meus momentos de solitude sobre como a turbulência e a calmaria do mar que estava entre as duas ilhas era tão similar aos altos e baixos que falei lá no primeiro parágrafo desse texto.

Uma pergunta: você consegue listar quantas emoções se debruçou no dia de hoje? Uma, duas três, quinze? Não temos esse costume, apenas o de abraçar os ruins e esquecer dos bons.

Esse mar de emoções que habita e coexiste com a gente, tem uma função muito similar com a natureza e sua imensa alegoria. Que é a de mostrar o tamanho de nós, o que vivemos, nossas relações e como vamos encarando as etapas e desafios de ser apenas nós mesmos.

Esse mar interno muito se assimila com o mar da natureza, pois seja em uma calmaria ou caos de água imponentes, é essa inconstância que nos faz seres únicos e incríveis de operar a complexidade da vida.

Então não se diminua por isso, abrace e descubra o quão incrível você é e pode ser.

Sintonia

Ou leia-se: vibração.

Desde que passei frequentar os encontros da SGI – que é uma linha do Budismo -, muitas concepções e uma amplitude a mais se tem feito presente nos questionamentos que, inevitavelmente, permeiam meu cotidiano.

Naturalmente quando tu mais mergulhas no mar do desconhecido, mais coisas encontramos e mais mistérios vamos colecionando, em que é muito importante não mergulhar tão fundo e deixar que as coisas aconteçam no seu devido tempo, sem pressa, apenas na calmaria.

Escolhi a palavra “sintonia” porque ela traz algo poderoso.

No campo do amor, em relacionamentos ou laços, é incrível quando acontece àquela surpresa agradável, seja lá ela for. Pois é incrível a energia que acontece quando tu topas com pessoas leves, simples e transmitem uma paz absurda com um singelo ‘Olá, tudo bem?’. É dessa sintonia que estou falando.

As coisas andam tão loucas nesse mundo de extremos que atitudes e detalhes assim te fazem perceber que de antemão, quem carrega sutileza é tu. Então agarre isso, esses detalhes.

E o que isso tudo tem a ver com as sementes que plantamos e os terrenos que cultivamos?

Pois colhemos o que plantamos, nem menos e nem mais. E é fundamental entender que algumas coisas, por mais que a gente queira, não irão frutificar a maneira que imaginamos por, talvez, não ser ainda o momento ou nunca será também.

Por fim, compartilho algo fundamental: isso não tem absolutamente nada de errado. Então antes de se perder por entre frustrações ou “vislumbramentos”, experimente apenas entender que é preciso respeitar o seu próprio universo e o ritmo que ele tem. Porque aí sim, o seu exterior vai ter uma calmaria mais coesa.

Relacionados

A maravilha de poder ser quem se quer Quando somos crianças sempre somos encurralados com perguntas de coisas que não temos a mínima ideia da resposta, mas que respondemos com uma convicção de alguém bem mais experiente. Conheço pessoas formadas e bem mais velhas que eu, que ainda possuem infinitas dúvidas sobre qual caminho seguir. E ...
A realidade de uma pessoa ansiosa em seis minutos Alguma vez na vida já passou pela sua cabeça como é a mente de alguém ansioso? O que pode soar para uns como algo "apenas da cabeça", para eles é um problema sério e, quando não tratado, pode gerar problemas reais - leia-se físico - para quem lida com isso. E uma garota de 22 anos, que sofre desse p...
Todo mundo está meio fodido mesmo "Todo mundo tá meio fodido mesmo", essa frase saiu em um papo com um parceiro sobre essa empreitada de criar um site e fazer conteúdo. Ele já é um peixe grande nesse meio, são dez anos para ser mais exato. É seu ganha pão, gerencia a parada como uma empresa, têm funcionários e se vê aflito no contex...
Não, não tenha pena de mim Essa síndrome do coitado não cola! Não que eu ache o mundo é injusto, o universo conspira contra a minha pessoa ou que eu mereça passar por alguma situação indigesta. Apenas existem coisas que realmente são necessárias a gente passar para dar lugar à algo mais maduro, sensato e pé no chão. E se for ...