Veluria: um som maranhense para você conhecer

Da esquerda pra direita: Gabriel Mendes (guitarrista); Gabriel Ferreira (teclado); Matheus Portela (vocalista); Teodoro Sanchez (baterista). (Foto: Israel Lucas)

Veluria, uma banda de rock alternativo maranhense, começou a ganhar destaque em meados de 2016. Matheus, Teodoro, Gabriel e Ferreira são quatro amigos apaixonados por música e com o desejo de realizar algo diferente, decidindo então criar um som novo para ecoar nos cantos da cidade. Com músicas marcantes, como Leave Me Alone, Veluria vem ganhando espaço através de seus solos psicodélicos e, também, por meio da singularidade de suas músicas. Alguns ouvintes falam de uma pegada Pink Floydiana; há quem diga que tem um quê de Muse na composição das canções. E no fim, é esse o diferencial da banda: do Tame Impala ao Arctic Monkeys, os caras tentam pegar o melhor das suas referências.

O guitarrista da banda, Gabriel Mendes, de 20 anos, afirma que a Veluria possui uma grande admiração pelo trabalho da Soulvenir. A inspiração pelos maranhenses serve como motor para a continuação desse trabalho.

Segundo ele, os conterrâneos possuem uma forma única para a elaboração a sonoridade, sempre buscando elementos distintos mas que se complementam quando são tocados juntos. Gabriel ratifica o desprendimento da banda em relação às referências quando diz que cada um dos quatro integrantes tem uma pegada musical distinta.

“Por exemplo, o Téo (baterista) curte muito metal, tipo Metallica e o Sepultura. Já o Ferreira (tecladista) é fã do Tim Maia. Eu tenho ouvido bastante Radiohead, a junção dos elementos percussivos é demais, tem show que os caras tocam com duas baterias. No caso do Muse, tem a pulsação da música e a forma como buscam deixá-la rica como os efeitos de sintetizadores, isso me deixa alucinado. No fim, nós tentamos retirar a essência do que cada um gosta pra formar nosso som, sabe? E é isso que forma a Veluria! É uma grande reunião sonora!”, afirma o guitarrista durante um papo descontraído com o Sobre O Tatame.

Para 2017, a banda vem trazendo inúmeras novidades. Após disponibilizar três músicas do seu EP via streaming, o disco de estreia se encontra em produção, assinada pelo músico Sandoval Filho (integrante da Soulvenir, inclusive), do BlackRoom Studio.

Se tu tá com vontade de conhecer um som diferente e que possa te levar à uma viagem transcendental, acompanhe pelas redes sociais a Veluria no TwitterFacebook e Instagram. A banda é massa e esse é mais um projeto 100% maranhense.

Eu tô é tu se não sacar esse som!

Relacionados

O som que rola agora no Fusca 86 #2 Brum, Brum, dé, dé, dé, dé (Sonoplastia: Fusca chegando) Como andam as coisas por aqui? Nem sei qual a desculpa que dou pela demora de um novo texto. Não sei se é mais convincente falar do pneu que furou, ou do som que queimou com a última chuva (Chuva, Pedro?! Em São Luís?). É, acho que essa nã...
Sim… você precisa de um festival EU PRECISAVA...ter ido ao Lollapalooza Brasil 2015. Era necessário. Pelo festival? Não. Mas sim por toda a experiência que ele conseguiu me proporcionar em dois dias. Foi pelas atrações? Também. Os artistas que me motivaram a ir tiveram um papel crucial na minha diversão naquelas horas de evento. Ma...
Dia Mundial do Rock: 14 bandas maranhenses que voc... Tradicionalmente, o Dia Mundial do Rock é comemorado em 13 de julho em diversos países. A data foi escolhida em virtude do lendário megaevento Live Aid, que rolou lá na década de 80 (1985), e contou com artistas consagrados como Queen, Mick Jagger, Keith Richards, Ronnie Wood, Elton John, Paul McCar...
As Três Fiandeiras: um espetáculo de sensibilidade... Nos últimos anos, já assisti ao espetáculo As Três Fiandeiras duas vezes. Cada uma com o seu sentimento especial guardado na lembrança. Em novembro de 2015, como parte da programação da X Semana de Teatro no Maranhão, conheci, pela primeira vez, as histórias de Beatriz Isadora e Isabel, interpret...