Vivos, transantes e cheios de (pre)conceitos: os ingredientes fundamentais para o vírus da AIDS

Ele levou Cazuza, levou Freddie Mercury, levou o intérprete do extraterrestre Etevaldo, do Castelo Rá-Tim-Bum. Levou, também, Caio Fernando Abreu, tirou de nós Renato Russo e silenciou o mestre Betinho. Além de Foucault. Hoje ele abraça o Magic Johnson, o Charlie Sheen, o amigo da Jout Jout, dos vídeos, e milhões de pessoas pelo planeta. Jovem e devastador de “apenas 30 anos”, o vírus HIV, causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), nos chama outra vez:

Eu estou vivo. E entre 827 mil brasileiros como vocês.

festacapasobreotatame
E possivelmente estou nessa festa também. (Foto: Reprodução)

Somos ingênuos, amigos. Muitos de nós trepam sem camisinha porque é mais gostoso, mais bacana, mais sensível, mais legal, mais surreal e único. Muitos de nós não titubeamos quando aquela pessoa que nos dá tesão, nos dá mole tudo ao mesmo tempo sem vírgula sem respiração porque tá acontecendo um clima bom e a gente não pode parar. Se parar pra pensar e catar a camisinha, o clima pode morrer e, para nossa derrota, aquela foda bem dada pode apenas permanecer em nossos mais calientes sonhos. E ele ou ela – ou eles e elas – eram bonitos, jovens, aparentemente saudáveis, seguros, mentes abertas, destemidos, quentes, vividos, bem sucedidos no universo e não se podia perd…..PARA!

[atualização de dados]:

E ele ou ela – ou eles e elas eram… Pessoas.

Bastou tá vivo pra ter AIDS. É essa a verdade, amigos. Pode ser preto, branco, azul cafuzo, mameluco cor-de-rosa, blonde girl, garotão, tiozão, solteirona, bicha, machão, homo, hetero, bi, tri, médico, boleiro, professora, lavadeira, dona de casa, motorista, diplomata, cult e etecetera  –  e até mesmo não transante. Mas bastou todos nós estarmos vivos, bem vivos, para corrermos o risco de encontrá-lo.

Nossa ingenuidade é dúbia: ou a grama do vizinho é mais verde que a nossa; ou isso ou aquilo só acontece com os outros. Nossa leve mesquinhez nos faz crer que podemos estar acima do bem e do mal, e de uma porra de um vírus minúsculo. Se não conseguimos lidar com situações menores ainda – releia o negrito – que nos escapam todos os dias, o que nos faz acreditar que sempre, ou quase isso, não seremos atingidos por uma avalanche de limitações, como uma briga, um acidente, uma perda qualquer e uma contaminação viral?

Filhos maravilhosos da era da informação que somos, pensamos que estas mesmas notícias que nos chegam habitam apenas o mundo virtual, inexistente e manipulado. Um outro mundo diferente do qual eu vivo, do qual estou inscrito, do qual minha família e amigos fazem parte. A AIDS não é invenção da Netflix. Ela, neste momento, está se apossando de alguém que talvez você já tenha beijado, transado, mandado pra puta que pariu; alguém que você segurou a mão, sentou-se no mesmo banco; usou o mesmo banheiro; esbarrou em você no meio da praça. Uma pessoa.

A única condição que faz do vírus, vivo.


Nota do editor: O recado do texto é um lembrete sobre a importância da busca por informação e conscientização acerca da AIDS. Lembrando que no dia 1º de dezembro é a data escolhida para a campanha do Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. Portanto: se informe, previna-se e quebre o preconceito a respeito desta doença.

Clicando aqui você pode baixar um PDF com diversas informações sobre a AIDS.

Revisão: Edízio Moura

Relacionados

Mercado do Peixe, Observar e Absorver, entrevistas... Agosto marcou presença como tradicionalmente um mês pra lá de devagar pra passar, concorda? Mas tentamos manter o ritmo e qualidade nos materiais que demos vida por aqui. E assim o fizemos. Abaixo deixo um resumo do que rolou durante o mês que passou para você. Além disso, conseguimos manter o núme...
Bem-vindos ao novo Sobre O Tatame “Porque desistir seria muito fácil”, né. As vezes, é necessário recuar e observar. (Foto: Reprodução) Um trabalho que começou meio sem jeito e com um pensamento: “Como levar algo de caráter informativo de maneira simples e que seja como uma conversa de bar entre amigos?”. Começou assim lá em 2014...
Especial TEDxRuaPortugal: MC Alcino fala sobre afe... Foto: Arquivo pessoal Fiquei feliz quando fui convidado para trocar essa ideia com o MC Alcino e preparar um material para o Especial TEDx Rua Portugal aqui no Sobre o Tatame. Já esperava encontrar um cara do bem,  altruísta e com uma história de vida que serve de exemplo pra muita gente, mas en...
Especial TEDxRuaPortugal: a fotopoesia de Helemozã... Helemozão ou Helen Salomão da Silva e Silva, de 21 anos, fotógrafa cujas lentes  registram empoderamento, feminismo, cultura negra, amor e muito mais. A baiana, natural de Salvador já nos permitiu conhecer um pouco da sua trajetória , para ver a história de Helemozão clique aqui. Foto: Edgar A...