Bernhoft e sua fascinante maneira de fazer música

394852
Bernhoft, grave esse nome. (Foto: Reprodução)

Imagine um músico que consegue fazer composições de diferentes maneiras, seja compondo, literalmente tocando, dando ritmo de percussão nos próprios instrumentos e efeitos na voz, cantando, entre outras coisas. Impossível? Confuso? Então me deixe apresentar-lhes Bernhoft, um jovem artista que é capaz de fazer isso tudo, com um detalhe: quase ao mesmo tempo e sem perder a simpatia.

O poder da música é incrível, compor e dar vida aquelas ideias que antes pairavam na mente e nos sentimentos é uma daquelas sensações que fazem nossa alma transbordar. Pois é o que o multi-instrumentista, compositor e letrista Jarle Bernhoft faz e com muita maestria, que chega a impressionar.

Oriundo da cidade de Nittedal, na Noruega, Bernhoft já teve algumas aventuras na música como integrar duas bandas (Explicit Lyrics e a Span) e diversas contribuições com artistas no seu país de origem, mas foi com sua carreira solo que ele ganhou o mundo com seu talento para vários instrumentos, composições e arranjos diferenciados, letras com ritmos de muita influência do rock dos anos 70 e ritmos como Jazz, Blues e Soul e uma performance ao vivo que “hipnotiza” até mesmo os mais experientes no ramo da música.

Bernhoft é um artista relativamente novo – ele tem apenas seis anos de carreira solo, em que já lançou cinco discos, sendo três de estúdio e dois ao vivo -, ele ganhou destaque depois de ser convidado para o programa americano The Ellen DeGeneres Show em 2011, em que os produtores olharam seus vídeos no YouTube. Este convite rendeu outros como no programa americano Conan em 2013 e em junho deste ele foi convidado para participar do festival Glastonbury e para um especial da BBC One.

Queria poder falar mais sobre o que suas composições retratam, influências musicais e saber se foi só comigo que o feeling das músicas dele grudaram e entraram pra minha lista pessoal de artistas preferidos, mas queria compartilhar isso com vocês depois dessa playlist, vamos “C’mon Talk’:

“I got the big city blues, I don’t wanna stick around and I know that she knows“

Uma jam session dentro de uma van não pega mal, pelo contrário:

Ele no Glastonbury BBC Sessions 2014:

E pra finalizar:

Post originalmente publicado aqui!

Relacionados

40 clipes maranhenses lançados em 2016 que você pr... Assim como nos últimos anos, 2016 também foi um ano bastante produtivo para a música maranhense. Não só grandes (e bastante aguardados) discos foram lançados (falaremos sobre estes lançamentos em outro post), como vários videoclipes foram divulgados. Abaixo a primeira parte de uma série de 4 c...
Quinta sobre música #11 relax, take it easy! Comecei a natação. Aos poucos, tô percebendo que basta um pouco de concentração pra seguir nadando por vários metros sem ser vencido pelo cansaço - e, também, pela ansiedade. E em que posso me concentrar? Tentei várias coisas: as coisas que fiz no dia, as conversas que tive pela semana, as pessoas q...
Veluria: um som maranhense para você conhecer Da esquerda pra direita: Gabriel Mendes (guitarrista); Gabriel Ferreira (teclado); Matheus Portela (vocalista); Teodoro Sanchez (baterista). (Foto: Israel Lucas) Veluria, uma banda de rock alternativo maranhense, começou a ganhar destaque em meados de 2016. Matheus, Teodoro, Gabriel e Ferreira s...
Duas décadas sem os Mamonas Assassinas Lembro como fosse ontem: era uma manhã de sábado, clima ameno e acordei com a vizinha passando pela frente de casa chorando. Logo desci pra ver o que estava acontecendo e todos os canais estavam dando a notícia: Integrantes da banda Mamonas Assassinas morrem em acidente de avião. Apesar de ter na...