Sessão Brazuca: Trago Comigo – Memórias de uma ditadura

Trago comigo a luta de uma geração.

Trago comigo a dor da opressão.

Trago comigo lembranças de um país rebelde – e com causa.

Trago comigo as marcas de tudo isso.

Trago comigo a revolta de saber que os torturadores estão livres e sendo homenageados publicamente na câmara dos deputados.

Trago comigo a esperança de dias melhores.

Tata Amaral traz tudo isso em seu novo trabalho, um longa-metragem baseado em uma minissérie homônima exibida pela Tv Cultura em 2009. A produção mescla sequências de ficção da minissérie com depoimentos de vítimas da ditadura civil-militar.

Trago comigo retrata os traumas vividos e as sequelas dos mesmos na sociedade atual. Parece que superamos esse momento obscuro da nossa história, mas a verdade é que depois de assistir ao longa e ver a dor nos olhos das pessoas que viveram uma revolução que eu li nos livros, acabei percebendo que não. Não dá para superar o fato de torturadores nunca terem sido julgados e condenados por determinados tipos de violência.

postfilmeditadura
(Foto: Divulgação)

No filme, para evitar ações judiciais, usa-se uma tarja sobre a boca das pessoas que dão seus depoimentos quando elas dizem os nomes dos seus torturadores. A tarja aparece, o som se vai e as lágrimas rolam tanto em cena quanto do outro lado da tela. É a ditadura que ainda perdura. Uma ditadura silenciosa que não nos deixa gritar os nomes daqueles que feriram, mataram e traíram sua pátria.

Na página do filme, foram publicados 48 vídeos com menos de 3 minutos nos quais atores, artistas e ativistas leem relatos de ex-torturados pela ditadura civil-militar.

A Cineastra Tata Amaral trata sobre um assunto sério com muita leveza e um pouco de humor, porém não esconde a rigidez dos tempos de 64. O longa foi o vencedor do “prêmio do público” no último Festival de Cinema Latino-Americano.

Aproveita o final de semana e a atual situação do nosso país para dar uma chance ao cinema brasileiro e de quebra conhecer um pouco melhor o nosso passado. Só assim entenderemos o presente e lutaremos por um futuro menos obscuro.

“Quando a ditadura é um fato, a revolução é um dever”

#TragoComigoUmaLembrança

Relacionados

40 clipes maranhenses lançados em 2016 que você pr... Na primeira parte do post sobre os 40 clipes maranhenses lançados em 2016 que você precisa assistir, conhecemos alguns videoclipes que foram lançados logo nos primeiros meses do ano. Dando sequência, neste post, outros artistas que deram as caras no primeiro semestre de 2016, também, aparecem - e a...
QUINTA SOBRE MÚSICA #5 Poder ver o Lollapalooza Brasil 2015 de perto foi um presente que não sai da mente. Por mais que estivesse cheio de artistas mais recentes, como Young The Giant e Alt-J, não faltaram referências às décadas passadas - vide a apresentação tribal e cheia de excelência de Robert Plant. Sobre estas refer...
Nas viagens dO Pequeno Príncipe e um lembrete para... “O problema não é crescer, é se esquecer” (Foto: Divulgação) Não vou entregar o desfecho do filme e a magia dele, mas sim compartilhar algumas sensações sobre o que é curtir o filme numa tentativa, quem sabe, de fazer você pegar a primeira sessão após ler esse texto. Se não fosse o convite meio s...
A Vida Secreta de Quem Sonha Acordado Você já teve aquela sensação de assistir um filme e o personagem principal ter traços similares ao seu? Nos últimos dois meses, senti isso em pelo quatro filmes que vi. Em Entre Abelhas, longa nacional estrelado por Fábio Porchat, pude relembrar uma fase antiga minha - o egoísmo. No estranho Cala a ...