Sobre jardins e borboletas

A vida é como um jardim. Há quem cuide bem de seu jardim. Há quem cuide de vez em quando e tem gente que, ao se preocupar com o jardim alheio, esquece do seu. A beleza de um jardim é reflexo direto dos esforços de seu dono, por isso existem jardins pequenos e grandes, monocromáticos e coloridos, simples e variados, modestos e robustos.

buddha-focus-185387_640

Em regra, cada um deve cuidar do seu jardim. E jardins bem cuidados crescem, florescem, ficam belos, produzem novas sementes e dão a seu dono a possibilidade de espalhar essas novas sementes por outros jardins, principalmente naqueles mais maltratados.

Tais sementes representam o quanto de bondade e positividade somos capazes de espalhar na vida de outras pessoas. Só consegue fazê-lo quem já produz isso em seu próprio jardim.

É interessante notar que embora possamos espalhar inúmeras sementes por inúmeros jardins, as sementes só germinarão e se transformarão em belas flores se o dono do jardim receptor dispor de cuidados básicos como irrigação, adubação, combate às pragas… Pois muitas vezes espalhamos sementes e criamos expectativas em receber flores em troca. Mas lembrem-se da regra: “cada um deve cuidar do seu”.

Jogar sementes é um ato de benevolência em si. Ele se basta porque demonstra o quanto bons jardineiros nós somos. Nem sempre as pessoas reconhecerão teu ato de bondade porque, infelizmente, ainda não aprenderam a cuidar do seu jardim. E isso não é motivo pra desistir.

Pessoas bem resolvidas lidam bem com a ingratidão e, num movimento persistente de bondade, constroem redes de jardins.

Dos bons jardins surgem borboletas. Elas, que a despeito da riquíssima simbologia que tange a metamorfose evolutiva que gera rara beleza (relacionada aos paradigmas que devemos superar cotidianamente) representam aqui, verdadeiras pontes de ligação entre jardins, possibilitando a construção e a multiplicação de belezas e aromas.

O quanto tens cuidado do teu jardim? O quanto tens espalhado sementes? O quanto tens permitido que borboletas pousem no teu jardim, te ligando a outros jardins?


O texto acima é de um cara que admiro muito, Noboru Nishiwaki. Que me acolheu e, posteriormente a convite meu, a querida Talia Gabrielle, na Quinta-Feliz. Que é uma reunião budista semanal que participamos aonde estudamos o Budismo da SGI ou Soka Gakkai Internacional e como ele pode ser aplicado nos nossos desafios do cotidiano.

E, como o próprio próprio Noboru disse em seu Facebook, o texto foi resultado de reflexões, conversas e profícuos diálogos que temos por lá.

Resolvi compartilhar aqui no ato de percebermos nossos comportamento e ato de equilibrar a mente e o corpo.

Relacionados

Por que a vida é feita de ciclos A gente sempre acha que as coisas estão tomando o rumo certo, e, as vezes, até se engana do que realmente é certo, evitando sair de uma zona de conforto tão conveniente pra nossa realidade. Mas é humanamente impossível se arrastar em meias verdades, todo mundo tem um limite. Viver de teorias, ideol...
Bem-vindos ao Clube, somos gente como a gente Quando iniciei essa ideia de dar vida por meio das palavras, foi algo meio sem jeito, mas carregado de sentimentos e ideias afim de compartilhar coisas que incrivelmente parecem ser banalizadas por aí e o quão nossa incompletude é inerente e responsável por essa experiência intitulada vida. Mas não ...
3 mentiras que você deve parar de contar a si mesm... No dia 1º de abril é comemorado o Dia da Mentira, e, segundo o Wikipedia, existem vários contextos históricos que explicam o porquê desta data. Para entender, é só clicar aqui! E o que venho falar aqui é um assunto que casa perfeitamente com esta data de hoje e, também, um convite para uma reflexão...
O universo que existe em cada um de nós É estranho como as pessoas têm um jeito diferente de ver o mundo, cada um tem sua forma única e especlífica de enxergar as coisas. É engraçado e decepcionante, ao mesmo tempo, por dois motivos: quando você mostra o seu jeito de ver o mundo para alguém, nem sempre a pessoa vai ter a empatia de olhar ...